O ano que eu tive

Em janeiro de 2015 eu dei vida a este blog e em uma das primeiras postagens defini algumas metas para o ano que se iniciava junto com o blog e hoje vim falar sobre essas metas e o que eu fiz para alcança-las. Nem tudo saiu como o planejado, ainda bem porque que graça teria viver sem as surpresas que o universo nos proporciona? 2015 foi um ano de muita mudança interior, assumi várias coisas na minha vida, aprendi a ser mais grata com tudo que me aconteceu e mais do que nunca aprendi a esperar. Esperar que aos poucos as coisas vão dando certo e vão melhorando, acho que essa palavra resume o meu ano: espera! E em 2016 colherei tudo o que estava esperando germinar. Bom, vamos aos pontos:

- Me dedicar mais ao blog: Eu realmente consegui, achei que poderia me perder no caminho, mas não deixei nenhum mês sem postagem, encontrei um layout que me agrade e também estou conseguindo acompanhar outros blogs que me trazem muita inspiração.

- Voltar a escrever cartas: Não aconteceu como eu esperava, até escrevi algumas, mas não todas as que eu queria, talvez em 2016.

- Ler mais: Não foi satisfatório, li apenas 7 livros em 2015, mas foram livros ótimos e aprendi muito com eles, creio que o que importa é a qualidade e não a quantidade, então sim, a meta foi cumprida.

- Ser mais organizada: Acho que essa é uma meta constante, estou tentando ser cada dia mais organizada em todas as áreas da minha vida, já evolui bastante, mas preciso melhorar ainda mais.

- Economizar: Esse é um item super importante e estou bastante satisfeita com meu desempenho, quitei praticamente todas as minhas dívidas e evitei ao máximo fazer outras, comprei apenas o necessário e foi muito recompensador, com certeza vou continuar tendo isso como meta de vida.

- Cuidar mais de mim: Muito mais do que me cuidar eu aprendi a me amar mais, me aceitar, me olhar de uma maneira diferente e isso foi muito importante nesse ano de muitas auto descobertas.

Pra 2016 pretendo manter essas mesmas metas porque percebi que todas são contínuas e necessárias para meu crescimento como pessoa. Além dessas também acrescento a construção da minha casinha que está quase no fim, graças a Deus e agradecer mais, muito mais, agradecer todos os dias, ter gratidão por todas as coisas boas e também pelas ruins porque tudo é aprendizado, tudo é crescimento, a palavra para 2016 será gratidão.

Compartilhe amor, doe sangue ❤

O pessoal lá do grupo As Migas está cada vez mais legal e unido e por falar em união, este mês o tema da blogagem coletiva é algo que tem muito a ver com unir forças por uma causa maior: a doação de sangue. Dia 25 de novembro foi o dia nacional do doador de sangue e nada mais justo que dedicar os posts coletivos do mês para o incentivo a esse ato de amor, mas não devemos lembar disso apenas no dia 25 e sim o ano todo, porque o ano todo têm alguém precisando e em apenas uma doação você pode salvar a vida de até quatro pessoas.


Infelizmente, como eu disse neste post, não posso doar sangue, isso me deixa bastante frustrada porque é uma coisa que sempre quis fazer. Porém eu posso incentivar outras pessoas a doarem e é por isso que estou aqui hoje, para dar algumas dicas para quem ainda não sabe como faz.

REQUISITOS BÁSICOS PARA DOAR:
Estar em bom estado de saúde, ter entre 18 e 69 anos (menores de 16 também podem doar, mas precisam de autorização de seu responsável), pesar no mínimo 50 Kg, estar bem descansado e alimentado, apresentar documento original com foto.

VOCÊ NÃO PODERÁ DOAR SE:
Estiver resfriado, estiver grávida, for puérpera (parto normal deve esperar 90 dias e cesariana 180 dias), estiver amamentando (a não ser que o parto tenha sido há mais de 12 meses), tiver ingerido bebida alcoólica nas últimas 12 horas, tiver feito tatuagem nos últimos 12 meses, tiver se envolvido em situações nas quais existe um risco de adquirir doenças sexualmente transmissíveis (aguardar 12 meses), viajou para estados onde tenha alta prevalência de casos de malária (aguardar 12 meses), teve hepatite após os 11 anos de idade, fizer uso de drogas ilícitas injetáveis, teve malária, dentre outros que você pode conferir aqui e aqui

INTERVALOS PARA DOAÇÃO:
Homens: 60 dias (máximo de 4 doações por ano)
Mulheres: 90 dias (máximo de 3 doações por ano)


Procure o local mais próximo de você onde tenha um hemocentro ou alguma campanha para alguma pessoa específica, faça a diferença na vida de alguém, mas lembre-se: você estará doando vida para outras pessoas, portanto seja consciente e certifique-se de que estará doando uma vida saudável. Você será questionado sobre várias coisas em uma entrevista, além de passar por uma triagem de avaliação, então seja extremamente sincero nas suas respostas para não prejudicar ninguém que vier a receber sua doação. 

O dia em que eu assumi o 38

Continuando a série de desafios cotidianos que tenho enfrentado na vida, hoje quero falar sobre o dia em que eu assumi o 38. Pode parecer um assunto bem comum e banal assim como tudo aqui, mas é importante pra mim dividir isso, então me deixa.

Eu nunca sofri nenhum trauma grave relacionado ao peso, nunca sofri bullyng, não tive nenhum transtorno alimentar e diferente de muitas outras pessoas nunca fiz nenhuma dieta restritiva e maluca para emagrecer ou engordar. Mas sofri uma autocobrança muito forte principalmente por ser nutricionista e viver cercada de comentários de que nutricionista "tem que" ser magra, por isso sempre que se tratava do meu próprio peso vinha essa questão muito forte de não engordar!

O que acontece é que eu sempre fui magra, desde criança, muito magra na realidade, durante a faculdade não passava de 48 Kg e vivia frustrada ao ver minhas amigas indo doar sangue e eu não podia ir porque não tinha 50 fucking quilos. Também não gostava das minhas roupas porque era muito difícil encontrar peças que me caíssem bem, meu corpo não tinha formas era retilíneo, porém apesar dessas coisas eu gostava de ser magra, apesar de querer engordar um pouquinho, mas podia comer o quanto quisesse que continuava magra, era como falavam: "magra de ruim".

E então eis que o tempo passa e a realidade muda e dentro de quase 3 anos engordei alguns quilinhos e aí a primeira coisa que pensei foi: "eba, posso doar sangue". Mas mais uma vez o mundo foi cruel com a minha vontade de ajudar as pessoas, fui ver os requisitos e quando criança tive hepatite A (depois dos 11 anos) por isso não posso doar, então frustrei de novo. Não que eu tenha engordado apenas para doar sangue, foi natural e até estava gostando disso porque deu forma ao meu corpo. Mas, de repente, como num piscar de olhos minhas calças não entravam mais e eu que até queria ter engordado não estava acreditando que não cabia mais nas minhas calças número 36. Para o mundo, o que tá acontecendo? Eu achei que engordar era psicológico? Não, todo o meu corpo iria sentir essa mudança.

Mas durante toda a minha vida eu estava abaixo do peso e agora estou no meu peso ideal, ou seja, no meu peso ideal é ideal que eu use 38, mas meu cérebro não estava aceitando esse fato. Eu me sentia um pouco culpada porque subir alguns números na balança era ok, mas subir alguns números de roupa não podia, cadê o sentido? Eu achava que 36 era a numeração de roupa que iria usar para o resto da vida e isso já estava programado na minha mente e eu fui teimosa em continuar usando.

Eu vivia reclamando pro meu namorado sobre essa questão, que eu estava super angustiada com o fato de que minhas roupas estavam apertadas e ele simplesmente chegou um dia e me falou: "Amor, você já tem 24 anos, já é uma mulher, você tem que aceitar o fato de que seu corpo muda, você não é mais a adolescente que usava 36 ou as vezes 34, você está linda assim, então não fique se culpando ou usando roupas desconfortáveis, vai em uma loja, compre tudo novo que seja do seu número novo e seja feliz". Gente, ele está certíssimo e é assim mesmo, tão simples, em vez de ficar sofrendo por aquela roupa não te servir mais você simplesmente usa aquela que é seu número e ponto.

As vezes engordar também é uma questão de saúde, assumir seu peso ideal é uma questão não só de estética, mas principalmente de bem estar. Nós mulheres temos grandes problemas com nosso peso e eu vejo bem de perto isso na minha profissão e aí como se não bastasse toda essa angústia que sentimos e a cobrança que nós mesmos nos fazemos, ainda tem todo o preconceito envolvido, gordofobia, apologia a magreza excessiva, temos algumas blogueiras fitness da vida que só falam besteira pra difundir essa cultura de ódio ao próprio corpo, isso me deixa extremamente triste.

Em contrapartida, o que me deixa um pouco mais aliviada é que existem algumas pessoas que tentam quebrar toda essa coisa ruim que envolve a questão do peso, como por exemplo a Paola do blog Não sou exposição, pelo qual sou apaixonada e já li praticamente todos os posts, me anima saber que existem pessoas como elas preocupadas em propagar esse pensamento e ser contra a mídia manipuladora e desconstuir esses discursos apelativos da indústria da beleza.

Veggie Box - Primeira impressão

Através do Blog da Jess eu conheci a empresa Veggie Box, e estou entrando na onda das caixinhas por assinatura, testando algumas pra ver se vale a pena continuar. Essa eu assinei em setembro e recebi a primeira no comecinho de outubro, agora depois de testar todos os produtos decidi vir aqui pra falar um pouquinho sobre eles e sobre a empresa.

A Veggie possui dois tipos de box, o de beleza e o de snacks, eu escolhi o de beleza porque acho que vale mais a pena no sentido de durabilidade dos produtos, ou seja, já que os snacks são de tamanho relativamente pequeno eu comeria tudo muito rápido, já os produtos de beleza eu não comeria durariam muito mais já que eu ainda não adquiri uma rotina para utilizá-los.

A proposta deles é oferecer produtos que são cruetly free, o que quer dizer que não foram testados em animais, não possuem ingredientes provenientes de animais e que nenhuma crueldade animal foi realizada em qualquer dos processos da fabricação do produto, e os snacks são veganos. Eu não sou vegetariana ou vegana, mas simpatizo muito com a causa e penso em um dia ser, contudo acho que não vai ser de repente, é um processo longo e estou começando com alguns hábitos que vão puxando outros e que no fim se torna tão natural que você não sofre nessa transição.

O box de beleza possui de 4 a 7 produtos que podem ser em tamanho de amostra ou plus size, além de um brinde personalizado da Veggie Box. Vamos ver o que veio na minha primeira caixa:


Argila verde e argila rosa ECO & BELA
Eu convivo com argila desde criança, minha mãe usava sempre e eu ficava tipo "pra quê colocar barro na cara mãin?" Aí depois que eu descobri a magia da argila passei a amar. A verde é facial e corporal e a rosa facial e capilar, C A P I L A R gente, nunca tinha visto argila pra por no cabelo, até agora só testei no rosto, mas estou bastante curiosa pra testar no cabelo também.

 Creme hidratante e gomagem corporal FEITO BRASIL
O creme e a gomagem foram os produtos que eu mais gostei, eles têm um cheiro muito bom e que você fica sentindo durante um bom tempo durante o dia. Gostei também do tamanho, é prático para carregar na bolsa e levar pra qualquer lugar.

Sabonete íntimo SAL DA TERRA
Pra ser sincera eu não usava sabonete íntimo, há muita divergência quanto aos benefícios ou malefícios do seu uso, mas resolvi testar e quem sabe me adapte -ou não.

Garrafinha VEGGIE BOX
Eu estava querendo muito uma garrafinha assim para tomar água no trabalho e fiquei muito feliz quando chegou essa no box, maaaas apesar de lavar algumas vezes ainda tem um cheiro muito forte de plástico novo, não consegui usar ainda, acho que vou ter que deixar mais um tempo até esse cheiro sair.

PONTOS POSITIVOS
- Ser cruetly free, não ser testado em animais em nenhum dos processos de fabricação e não possuir ingredientes de origem animal, esse é a principal característica do box e foi principalmente por esse motivo que eu quis fazer essa assinatura porque estou em busca de uma beleza justa e sem crueldade.

- A maioria dos produtos é orgânico e tem fabricação caseira ou em empresas pequenas. Claro, as vezes em alguma edição da box já vi aparecer algumas marcas que tem mais visibilidade no mercado, mas na sua maioria são marcas que eu não conhecia e isso é bom, gosto da ideia de conhecer marcas menores e que são igualmente boas.

- Fator surpresa! A box não tem seus produtos divulgados antes da entrega, o que nos deixa ansiosas por querer saber logo o que vem, acho essa uma boa jogada da empresa, eu amo surpresas.


PONTOS NEGATIVOS
- Preço. Bem, se for comprar separadamente cada item da caixa daria mais ou menos o mesmo valor, fora o frete que seria de cada produto né? Mesmo assim achei um preço bem elevado, mas levando em conta a qualidade dos produtos vale a pena, sem contar que o frete é grátis para 80% do país.

- Demora na entrega. Na verdade nem foi culpa da empresa, eles mandaram na data correta, mas como os Correios estavam em greve demorou bem mais do que o estipulado e me deixou mais ansiosa ainda, espero que a próxima box chegue no tempo prometido.

Vocês já conheciam essa assinatura? O que acharam dessa edição? Eu gostei muito dos produtos e da opção que temos em poder ter um consumo consciente, pensando não só na nossa beleza e bem estar, mas também no meio ambiente e nos animais. Com certeza manterei a assinatura.

Para quem quiser conhecer deixo alguns links da empresa: SITE | FACEBOOK | INSTAGRAM 

Este post não é um publieditorial, não recebi nada para falar do produto e tudo é baseado na minha opinião e experiência com a marca.

Diálogo dos olhos

   Título: Diálogo dos olhos
   Autor: Juan Pablo
   Editora: Chiado
   Páginas: 220
   Sinopse: 
"Coração de espanto,
desenhado pelo silêncio (...) 
cujo canto é mudo,
Pulsa, Vibra, Coração!
Tu és um poema 
e o poema
 o mundo." 
Juan Pablo, nascido na província do Paraná, Brasil, vem mostrar a força do lirismo contemporâneo, num diálogo vivo entre tradição e modernidade em seu livro de estréia aos 21 anos de idade: 
"Mas o mundo é tão grande (...) 
nele não cabe o amor,
e a tristeza é tão grande,
a solidão é tão grande,
não pelo tamanho do mundo, 
não pelo tamanho da tristeza,
mas pelo tamanho do homem." 

A POESIA PREVALECE
Antes de falar sobre este livro lindo de poesia, quero falar sobre seu autor que apesar de ainda não tê-lo conhecido pessoalmente é como se já tivesse, pois ao ler seu livro é como se viajasse para dentro dele descobrindo seu verdadeiro eu traduzido em palavras poéticas.


Juan Pablo é paranaense, mora na mesma cidade onde eu fiz faculdade e por força do destino não nos conhecemos na época em que eu morava lá, mas de uma maneira ou de outra fiquei sabendo da existência dele e do seu livro através de uma rede social e de amigos em comum.

O que tornou Juan especial para mim foi o fato dele não deixar a poesia morrer e fazer ela ressurgir mais jovem e bonita. Confesso que não tenho um conhecimento muito grande desse gênero literário, mas sempre tive curiosidade e a poesia moderna me encanta porque consigo entendê-la melhor e como a poesia é tudo aquilo que comove, inspira, sensibiliza e desperta sentimentos posso dizer que vivo em um verso.


Diálogo dos olhos foi um encanto, um livro que você devora rapidamente e mergulha em cada palavra. Esse foi o primeiro livro que eu dobrei as páginas para marcar, risquei, fiz anotações, sublinhei pedaços que me chamaram mais a atenção. Antes eu tinha receio de fazer isso por medo de estragar o livro e despersonalizar a criação, mas foi um pedido do próprio autor para que eu fizesse isso, o que me encorajou e eu acabei gostando muito dessa experiência, me trouxe mais intimidade com o livro.


Poesia é difícil de resenhar, a magia está em cada um interpretar da sua maneira e relacionar com algo ou alguém da sua vida e a verdade é que eu não fiz este post para falar do que o livro se trata, mas sim para falar da minha impressão sobre ele e mostrar as partes que mais me tocaram. E pra divulgar que o interior também possui obras maravilhosas que merecem reconhecimento. Fica aqui também todo o meu sentimento de apoio ao Juan para que ele supere logo alguns problemas de saúde que teve ultimamente. Tenho certeza que sua poesia já está eternizada no coração de todos que te conhecem e que te apoiam de alguma maneira. Força menino!

As minhas melhores lembranças da infância

Antes de começar a falar sobre quando eu era a little Ana vou explicar esse post: Quando eu estava quase desistindo do blog, da blogosfera, do universo e tudo mais eis que surge na minha vida (através do blog da Gisela) um grupo no Facebook chamado As migas, pensei que seria só mais um grupo de divulgação de blogs, o que eu acho bem chatinho diga-se de passagem, mas quando eu vi a quantidade de pessoas legais que estavam lá decidi entrar também (porque também sou uma pessoa legal né?) e foi a melhor coisa que poderia ter feito porque realmente estamos nos tornando migxs lá. Um monte de blogueiros bacanas fazendo um projeto bacana, acho que você também deveria conhecer, que tal? Só clicar > aqui <. Além de termos essa interação lá no Facebook, também temos as blogagens coletivas de cada mês, agora em outubro temos três opções e eu escolhi fazer sobre:

 AS MINHAS MELHORES LEMBRANÇAS DA INFÂNCIA



A natureza - Eu fui filha única até os 7 anos e morávamos em um sítio, então minha infância no geral foi bastante desprovida de irmãozinhos/amiguinhos para brincar, o que eu conseguia lidar bem, visto que tinha várias opções de diversão, entre elas correr atrás das galinhas, andar a cavalo com meu papis, admirar as vaquinhas quando iam beber água no tanque perto de casa, abraçar os cachorros, puxar o rabo dos gatinios, correr pelo campo, cultivar plantinhas com a mamis. Ou seja, minha infância teve muito mato e bicho envolvido, o que foi maravilhoso porque aprendi a amar muito tudo isso!

A casa dos avós e tios - Essa vida de filha única tornava qualquer encontro com outras crianças um evento, principalmente quando era na casa dos meus avós maternos, onde me encontrava com meus primos e todos os tipos de parentes, era uma tradição de todo final/início de ano que infelizmente acabou depois que minha vovó faleceu. Uma das lembranças que eu mais gosto é da horta da minha vó, eu amava ir lá colher morangos de balde, porque tinha muito morango e depois comê-los todos <3 Também tenho ótimas recordações da casa dos tios, principalmente dos que cuidavam de mim pra minha mãe trabalhar, eu gostava tanto de lá que quando minha mãe chegava pra me buscar eu não queria ir embora, fazia birra e queria levar minha prima junto, bons tempos.

Festas de aniversário - Como eu disse, era difícil me encontrar com outras crianças e as minhas festas de aniversário era uma dessas ocasiões onde a casa ficava cheia de pessoinhas pequenas e era muito divertido, isso aconteceu até os meus 7 anos, depois disso só fui ter festa de aniversário na faculdade hahaha.

A união - O que eu mais gosto de lembrar é de como minha família era unida, não que agora não seja, ainda somos muito próximos, mas naquela época parecia que era tudo tão mais fácil. Me emociona lembrar todas as fases, todas as barreiras que enfrentamos juntos e de como tudo se fortaleceu com o nascimento das minhas irmãs.

A conclusão que eu tiro disso tudo, dessas recordações, é que eu fui uma criança muito feliz, tive poucos amigos, mas muito amor dos meus pais, das minhas irmãs e dos meus parentes mais próximos. Enquanto escrevia este post lembrei de tanta coisa linda que até me emocionei, como por exemplo da minha mãe me ensinando a ler e a escrever, tanto em casa quanto na escola porque ela foi literalmente minha primeira professora, do tombo que caí do cavalo com meu pai e do quanto rimos disso depois, do anseio em ter logo irmãos e da alegria quando nasceram, da felicidade em passear no nosso fusca vermelho ou na nossa camionete boiadeira cor de céu, dos nomes que eu dava para as vaquinhas, de dizer pro meu primo "quero pó de chucunhate Diano" (me referindo ao Nescau que eu gostava de comer puro e que meu primo Adriano ficava regulando hahaha), de falar pra todo mundo que quando eu crescesse queria ser cantora e "dançora" (dançarina, no caso, o que obviamente não aconteceu) e do quanto eu era curiosa, perguntava tanto sobre tudo que as pessoas chegavam a se irritar com os meus porquês, já tinha o dom para a comunicação.

Eu tenho muitas outras fotos dessa época, mas estão todas na casa dos meus pais e essas aí de cima são as únicas que tenho digitalizadas, mas são o que bastam para mostrar toda a minha fofurice procêis. Me fez muito bem relembrar essas coisas lindas da infância, felizmente a maioria desses recuerdos são bons e espero ter ótima memória pra contar tudo isso para meus futuros filhos, netos, bisnetos e se por acaso minha memória ficar fraquinha espero que eles vejam meu blog.

Coeur de Pirate

                                    

Meu gosto musical sempre foi bastante peculiar, ouço muitas músicas, gosto de poucas, porém quando gosto me apego demais como foi este caso. Coeur de Pirate traduzido livremente como Coração de Pirata é o nome artístico de Béatrice Martin, ela é canadense e canta essencialmente em francês, mas com algumas versões em inglês.

Além de cantar, também toca piano lindamente e deve isso à sua mãe que lhe ensinou desde criança a arte desse instrumento. Sua carreira artística começou quando aos 15 anos foi tecladista de uma banda post-hardcore (quem diria) chamada December Strikes First e depois passou a integrar o grupo Bonjour Brumaire, além também de compor músicas.
                    

Estudou artes, letras e comunicação, mas decidiu seguir a carreira de cantora e compositora e que , convenhamos, deu muito certo. Suas músicas são basicamente um retrato de sua vida, seus pensamentos e seus princípios. Tem uma melodia leve e calma, sua voz é doce e suave, é aquele tipo de música que você se encanta nos detalhes, inexplicável.

Não entendo nada de francês, então sempre que ouço uma música nova dela tenho que correr pedir ajuda ao translate. Não que isso seja ruim, veja bem, ela está me fazendo gostar de francês, um incentivo para quem sabe um dia aprender. Conheci nem lembro onde, navegando aleatoriamente pela internet, acho que foi ano passado, não tenho certeza, mas desde então conquistou meu coração. Seus clipes também são muito interessantes. Béatrice é linda e tem tatuagens maravilhosas *meabraça*.


Essas são três das minhas preferidas com seus respectivos clipes, espero que gostem desse Coeur. 







Deuses Americanos


Título: Deuses Americanos
Autor: Neil Gaiman
Editora: Conrad
Páginas: 447
Sinopse: "A tempestade aproximara-se... Depois de passar três anos na prisão, tudo que Shadow queria era voltar para os braços de sua mulher e ficar longe de confusão pelo resto da vida. Mas poucos dias antes da data marcada para sua soltura, descobre que sua mulher morrera em um acidente. Seu mundo se torna um lugar mais frio... No avião em que volta pra casa, Shadow conhece um senhor grisalho, chamado Wednesday, que lhe oferece um trabalho. E Shadow, um homem sem nada a perder, aceita. Mas trabalhar para o enigmático Wednesday tem um preço e Shadow logo descobre que seu papel nas armações dele será muito mais perigoso do que poderia imaginar. Envolvido em um mundo de segredos, embarca em uma louca viagem e encontra personagens estranhos, como o assassino Czernobog, o malicioso senhor Nancy e a linda Easter. E todos parecem saber mais sobre a vida de Shadow do que ele mesmo. Shadow descobrirá que o passado não morre, que todo mundo, inclusive sua falecida mulher, tem segredos, e o que está em risco é muito maior do que qualquer pessoa poderia imaginar. Uma tempestade de proporções épicas ameaça cair sobre todos. Logo, Shadow e Wednesday serão envolvidos em um conflito tão antigo quanto a própria humanidade. Sob a superfície plácida da vida cotidiana, uma guerra está sendo travada - e o prêmio é a própria alma dos Estados Unidos. Tão perturbador quanto divertido, Deuses Americanos é uma viagem caleidoscópica e sombria que vai fundo nos mitos e cruza o mundo atual de maneira, ao mesmo tempo, misteriosamente familiar e completamente estranha. Este trabalho de magia literária vai assombrar o leitor muito além da última página."

--
Deuses Americanos é o terceiro livro que li do Neil Gaiman e a cada um que leio só confirmo ainda mais o amor por esse autor, ele tem uma imaginação e uma capacidade incrível de criar personagens e histórias que se encaixam perfeitamente, queria eu ter a metade dessa capacidade. Além disso, antes de sair escrevendo ele faz uma longa pesquisa sobre o assunto que se propõe a escrever e eu acho isso fundamental para a história ser bem estruturada e fazer sentido aos olhos de quem lê.

Neste livro Gaiman aborda como tema principal os deuses, sejam eles os antigos e esquecidos ou os contemporâneos. A história se passa nos Estados Unidos e começa contando a história de Shadow que era um homem grande e forte, mas de bom coração. Ele estava preso e pouco antes de sair da prisão descobre que sua esposa havia morrido em um acidente de carro, quando terminou de cumprir sua pena e voltou à liberdade já não tinha mais pra onde ir ou o que fazer, já que sua esposa não estava mais lá lhe esperando. Foi então que conheceu Wednesday e começou a trabalhar para ele.

Mal sabia Shadow que sua vida iria mudar para sempre a partir daquele momento. Eles partem por uma busca incessante a fim de reunir os companheiros de Wednesday para uma futura batalha, a grande tempestade, guerra entre deuses. Mas no meio dessa busca acontecem várias coisas loucas, encontros com outros deuses igualmente estranhos e alguns parênteses para contar um pouco sobre esses deuses.

Essa guerra que estava por vir tratava-se da batalha entre os deuses antigos e os novos deuses. Um deus só existe se tiver alguém que acredite nele e os deuses antigos estavam deixando de existir porque as pessoas estavam deixando de acreditar neles e passando a acreditar em novas divindades do presente como a televisão e a tecnologia por exemplo. Então, eles estavam brigando pela fé da população digamos assim.

"Quando as pessoas vieram pros Estados Unidos, elas nos trouxeram junto (...). Mas o tempo passou e nosso povo nos abandonou, lembrando de nós apenas como criaturas do Velho Continente, como coisas que não tinham vindo com elas pro Novo. Quem acreditava verdadeiramente em nós morreu, ou parou de acreditar, e fomos abandonados, ficamos perdidos, assustados e sem posses, vivendo de migalhas de adoração e de crença que podíamos encontrar. E fomos sobrevivendo da melhor maneira possível. Então foi isso que fizemos, sobrevivemos à margem das coisas, onde ninguém prestava muita atenção em nós (...). Existem novos deuses crescendo nos Estados Unidos, apoiando-se em laços cada vez maiores de crenças: deuses de cartão de crédito e de auto-estrada, de internet e de telefone, de rádio, de hospital e de televisão, deuses de plástico, de bipe e de néon. Deuses orgulhosos, gordos e tolos, inchados por sua própria vontade e por sua própria importância. Eles sabem da nossa existência e tem medo de nós, e nos odeiam - disse Odin. - Vocês estão se enganando se acreditam que não. Eles vão nos destruir, se puderem. É hora de a gente se agrupar. É hora de agir." 


Gaiman constrói personagens que são difíceis de não se identificar, eu criei uma relação de amor e ódio com Shadow porque ao mesmo tempo que ele é a peça principal da história e que vai ter como função alterar algumas coisas muito importantes ele é muito ingênuo e não vê algumas coisas que Wednesday está tramando e usando ele para botar em prática seu plano. Mas a realidade é que Shadow não estava nem ligando pra tudo isso já que sua vida estava meio "whatever".

"Eu não gosto de você, senhor Wednesday, ou qualquer que seja o seu nome verdadeiro. Nós não somos amigos, eu não sei como é que você saiu daquele avião sem eu ver, ou como você me perseguiu até aqui. Mas eu estou em um beco sem saída neste momento. Quando terminarmos nosso assunto eu me mando. E se você me encher o saco eu me mando também. Até lá, vou trabalhar para você."


Não pense que a trama se passa só com o Shadow e o Wednesday, ainda tem muuuuita coisa pra rolar além deles, tem a mulher do Shadow, morta que não está exatamente morta, todos os deuses que aparecem, os outros humanos que também tem suas histórias contadas. Ah, tem a Sam que é uma personagem bem legal também, enfim super indico a leitura. É um livro com bastante teoria e história de deuses antigos, mas é tranquilo pra ler. Apesar de eu ter levado mais tempo do que o normal pra terminar esse livro (não porque ele estava chato ou algo assim, mas porque eu realmente estava procrastinando essa leitura) eu gostei demais, afinal que livro do Gaiman que eu não gostei? 




"Nenhum homem, proclamou Donne, é uma ilha, e ele estava errado. Se nós não fôssemos ilhas, estaríamos perdidos, afogados nas tragédias dos outros". 
Deuses Americanos

TAG - Vida de gateira


A Rê do blog Mulher Vitrola criou essa TAG e claro que eu tinha que responder né? Amo minhas gatinhas e gosto muito de qualquer assunto relacionado a esse mundo felino, então vamos lá.

1) Quantos gatinhos você tem?
Tenho duas gatinhas lindas <3

2) Qual o nome delas? Quais apelidos?
Khaleessi, porque ela tem a cor da Daenerys Targaryen e também é uma princesa e Katrina porque essa novinha é um furacão. Apelidos tem um monte que eu geralmente chamo as duas: nenêim, godinha, coisa linda de mamaim, amorzinho...

3) Qual a idade do seu gatinho?
Bom, eu não sei ao certo a data de nascimento delas, mas a Khaleessi está comigo já fazem 11 meses e a Katrina 7 meses.

4) Como ele chegou até você?
Eu sempre quis ter um companheiro animal, mas na casa onde morava não tinha como, aí quando me mudei pra um local maior a primeira coisa que fiz foi procurar um gatinho pra me fazer companhia. A Khaleessi foi assim, eu a encontrei em uma agro-veterinária esperando adoção. Já no caso da Katrina foi uma surpresa, uma colega do trabalho encontrou na rua, mas não podia ficar com ela porque tinha muitos cães em casa e ela poderia estar correndo risco lá. Então pediu se eu não queria, como não querer né? E estamos juntas até hoje <3

5) Você tem fotos dele bebê/antigas?
Gente, eu num guento tanto amor

6) Como é a personalidade do seu gatinho?
Como eu falei neste post aqui, a Khaleessi é muito calma, porém medrosa demais, se ela ver algo ou alguém que não conhece corre pra baixo da cama e a Katrina ao contrário é agitada e curiosa, no caso dela se tiver algo/alguém diferente ela quer mesmo é ver qualé a parada mermão.

7) Ele gosta de brinquedinhos? Se sim, quais?
Já gostaram bem mais quando eram bebês, agora é raro ver elas brincando com alguma coisa, geralmente elas brincam mesmo é uma com a outra.

8) Qual tipo de carinho que ele mais gosta?
Khaleessi gosta muito de colo, ficar na perna igual numa das fotos aí em cima, carinho na cabeça e perto do rabo. Já a Katrina é mais arredia comigo e gosta mesmo é do carinho do meu namorado, vê se pode, não pode chegar perto dele que ronrona igual um tratorzinho e gosta do colo dele (e de joguinhos no celular dele), mas quando eu consigo carinhar ela é na cabecinha também que ela gosta, nada de perto do rabo, barriga então nem pensar.

9) O que ele mais gosta de comer? Qual marca de ração/molhinho você costuma dar?
Desde o começo eu nunca deixei elas comerem nada que não fosse próprio para elas, então nunca tive problemas com roubo de comida do prato ou algo assim. Elas comem só a ração e o molhinho /petiscos mesmo, eu estou dando ambos da Whiskas, não sei se é a melhor ou mais saudável, mas é a que mais elas gostaram, já tentei oferecer outras marcas, mas sempre há uma rejeição.

10) Como é a caixinha de areia do seu gatinho? Você usa areia, sílica, receita alternativa?
Já usei areia por muito tempo, mas depois que descobri a sílica não uso outra coisa, acho muito mais prático, apesar de ser mais caro, mas acho que compensa. Uso da marcas Pipicat ou Petlike, acho elas pelo mesmo preço. Já vi na internet uma mistura de sílica com farinha de mandioca e sal, ainda não testei, vocês já viram? Será que é bom?

11) Que recado você daria para as pessoas que não tem gatinhos, ou que tem preconceito com gatos?
Olha, eu confesso que antes de ter minhas gatinhas eu tinha um certo preconceito, mas isso foi quebrado de uma maneira tão linda. É incrível perceber o amor que eles demonstram e inexplicável o que a gente sente. Algumas pessoas acham exagero quando dizemos que somos mamains de gatos, mas o que mais seríamos? É um sentimento de maternidade, de uma maneira diferente claro, mas não deixa de ser. E eu diria pra você que não tem gatinhos, se você quer ter um tenha muita consciência do que vai fazer porque ele será dependente de você o resto da sua vidinha, tenha responsabilidade e muito amor pra dar. E pra quem não gosta ou tem preconceito eu aconselho que tente se aproximar de um, não digo pra sair logo adotando porque né, pode não rolar o feeling, mas conheça o gato de um amigo, vizinho, parente, tente conviver com ele e eu tenho certeza que com um pouco de paciência você verá com outros olhos esse serzinho tão amável.

Encerro essa TAG com essa ilustração maravilhosa que o Kawã Galvão fez mostrando o meu amor por minhas bolas de pelo <3

"Gatos amam mais as pessoas do que elas permitiriam, mas eles têm sabedoria suficiente para manter isso em segredo."
Mary Wilkins

A dona da carteira

Este post faz parte do projeto 642 coisas sobre as quais escrever e este é o item 114, que sugere um texto que fale sobre a maneira como as coisas deveriam ser e também faz parte das 1001 pessoas que conheci antes do fim do mundo, então "senta que lá vem história".

Eu não estou sabendo como exteriorizar tudo isso, talvez não consiga mesmo porque foi muito emocionante e ao mesmo tempo muito revoltante o que me aconteceu no último feriado, mas vou tentar explicar: Estava eu em mais uma das minhas longas viagens para a casa dos meus pais, na verdade aconteceu na volta (já reparou que a maioria das minhas histórias loucas acontecem durante viagens?). Eu gosto das primeiras poltronas, apesar de não ser tão seguro porque em caso do ônibus bater de frente, quem está nas primeiras poltronas vai pro beleléu primeiro né? Mas eu gosto desses lugares porque posso observar melhor por onde estou passando e também porque sinto que é mais "arejado", já que tenho pavor de ar condicionado, principalmente em ônibus. Enfim, eu estava na poltrona 3 e ao meu lado estava uma senhora, até aí tudo normal.

Na primeira parada, que é logo depois do meu embarque e fica meia hora parado para o pessoal almoçar, eu não ia descer, afinal tinha acabado de entrar, mas decidi ir tomar um suco, porque a viagem só estava começando. Quando voltei ao meu lugar percebi que tinha algo no chão, logo abaixo da minha poltrona e fui verificar, era uma carteira!

Esperei a senhorinha voltar também e perguntei se era dela, não era. Então decidi abrir pra ver o nome da criatura que havia perdido, era uma Maria, simpatizo muito com esse nome, afinal minha mãezinha se chama Maria. A senhora do meu lado disse que algumas cidades antes estava uma mulher sentada ao seu lado e supôs que a carteira seria dessa mulher.

Eu então, sem saber o que fazer fui falar com o motorista, felizmente era um motorista muito legal que ficou bastante preocupado com a situação e tentamos juntos achar alguma pista para descobrir a cidade e talvez o telefone da Maria. Não encontramos nada e sem termos opções deixamos a carteira na agência da empresa de transportes, ela ia ficar lá até alguém ir procurar.

Aquilo me inquietou demais, me coloquei no lugar da Maria, imagina, lá estavam TODOS os seus documentos pessoais e cartões de crédito, até ela descobrir onde estava sua carteira já teria entrado em desespero porque né, parece que nossa vida está ali naquele pacotinho de couro. E eu sabia que a agência não ia fazer questão de procurar a pessoa, pra eles tanto faz.

Mas pra mim não era "tanto faz", e decidi que iria encontrar essa mulher. Antes de deixar a carteira lá na agência eu havia memorizado o nome completo da Maria e assim que consegui acessar a internet lá fui eu procurar nas redes sociais. Não encontrei o perfil dela, mas pelo sobrenome encontrei seu sobrinho e lhe enviei uma mensagem. Mas ele não respondeu, fiquei pensando que a mensagem poderia ter caído na caixa de spam e então vendo o local que ele trabalhava procurei na internet o telefone do estabelecimento e liguei. Ele, muito gentil prontamente me passou o telefone da Maria para que eu pudesse entrar em contato.

E então eu liguei pra ela e para surpresa de ambas, ela ainda não tinha se dado conta que perdera a carteira, acreditam nisso? Um dia depois e ela ainda não sabia que estava sem seus documentos. Maria entrou em desespero e eu fiquei assustada porque achei que ela já estaria procurando e sabia do que eu tava falando, mas soltou um "QUE CARTEIRA????". Eu tentei acalmá-la e explicar a situação, passei o telefone da agência onde a carteira estava e disse que ia ligar mais tarde para saber se tinha dado certo.

Acontece que a Maria não era, ~ qualquer pessoa que perdeu a carteira por aí ~, Maria tem sua história, sua vida cheia de complicações e alegrias como qualquer um de nós e eu não sei por qual motivo nossas vidas tiveram que se cruzar. Mais tarde, antes que eu ligasse ela mesma me ligou pra agradecer imensamente por ter ido atrás dela mesmo sem ganhar nada em troca, eu disse que ganhei sim, ganhei como pagamento a alegria de ver alguém grata, ganhei a prova de que fazer o bem sem olhar a quem (literalmente) é uma sensação impagável.

O que mais me deixou emocionada foi que Maria estava investigando a suspeita de um câncer e que no outro dia iria fazer uma consulta para marcar exames na mama e começar toda a sina de um possível tratamento e que precisaria de um cartão do plano de saúde que estava justamente naquela carteira e que sem ele a consulta teria que ser adiada sabe-se lá pra quando. Ainda bem que a carteira chegou até ela a tempo.

E diante de tudo isso o que me deixou indignada foi o fato das pessoas ficarem tão espantadas com um gesto de honestidade, não estou querendo me vangloriar por ter feito isso, muito pelo contrário, isso não deveria ser considerado como um ato heroico ou raro, eu sempre achei que isso deveria ser senso comum. Sabe o senso comum? ~ conhecimento adquirido pelo homem a partir de experiências, vivências e observações do mundo ~ Então, eu sempre acreditei que o senso comum nesses casos seria realmente fazer o que eu fiz, seria ter empatia pelo próximo.

Mas o que vemos é cada vez mais o contrário, cada vez mais aproveitar-se do outro ou da situação tem se tornado comum. Alguém de má índole poderia muito bem ter feito alguma maldade, na carteira não havia dinheiro, mas PASMEM, junto com os cartões de crédito estavam as senhas, infinitas são as possibilidades para aplicar golpes conforme vemos todos os dias nos noticiários.

O importante é que no final eu ganhei uma amiga, porque Maria se tornou uma pessoa muito especial, já conversamos bastante pelo telefone. Talvez nós nunca nos vejamos pessoalmente, mas isso tudo nos marcou de uma forma inesquecível e me fez refletir sobre como as coisas deveriam ser.


"Não há no mundo exagero mais belo que a gratidão."
Jean de La Bruyere

Desafio das cartas #5 Seus sonhos

Telêmaco Borba, 03 de setembro de 2015.

Queridos sonhos, 

As vezes pareço não reconhecê-los, vocês mudaram muito desde a ultima vez que nos encontramos e continuam mudando a cada fechar de olhos, a cada pensamento e plano, mas é assim que gosto de vocês, essa constante mudança é o que faz com que sejam legais e realizáveis, creio eu.

Alguns de vocês já aconteceram e por causa disso ficaram na história, o acontecer é um ato de libertar-se de mim, tornar-se real é como nascer. Então já tenho vários filhinhos sonhos por aí e outros tantos estou gestando, devo ser uma super mãe de sonhos.

Gostaria de me desculpar pelas vezes que não dei muita atenção a alguns de vocês, por ser menor, ou por ser grande demais, por demandar tempo ou dinheiro, por ser quase inalcançável. Desculpa pelas vezes que larguei algum na gaveta ou no fundo do coração e lá ficou por muito tempo.

Apesar de toda essa falta de atenção, quero dizer que vocês continuam aqui, um dia vou libertá-los, mas peço paciência porque eu geralmente me apego a quem me faz bem. E sim, vocês me fazem muito bem, ter sonhos é ter motivos para acordar todas as manhãs e ir correr atrás das realizações. Ter sonhos é sentir-se vivo, é ter razões para enfrentar as situações adversas que podem ocorrer na busca.

Sonhar é acreditar e eu acredito muito em vocês, obrigada por estarem sempre comigo, realizados ou não, obrigada pela força e até mais.

Com carinho,
Ana (:

Imagem

"Sonhar é acordar-se para dentro".
Mário Quintana


Blog Day 2015

Se tem uma coisa que eu gosto muito nessa vida é descobrir coisas novas, conhecer pessoas novas e interessantes e quando isso vem em formato de blog é melhor ainda. A internet anda muito sem graça ultimamente e conhecer lugares na web onde você se sente em casa e sente vontade de visitar todos os dias é muito confortante. 

No dia 31 de agosto é comemorado o Blog Day (e do nutricionista também o/), por isso um pessoal de um grupo bem legal de blogueiros chamado Rotaroots sugeriu uma blogagem coletiva para que sejam indicados alguns blogs que você ama para que outras pessoas possam amar também. Foi escolhido dia 31/08 porque os números se "parecem" com a palavra blog: 3108=BLOG. Esses são meus amadinhos:

 - 5 BLOGS QUE NÃO SAEM DO MEU FEED:

1) COISAS FÚTEIS: Que de fútil não tem nada, são só coisas úteis! Eu posso dizer que este é um blog que acesso todos os dias, a Estefanie fala de assuntos mais voltados ao minimalismo, natureza, bem-estar, com uma pegada de yoga, meditação, coisas simples que me encantam e merecem estar no meu feed ever <3

2) NÃO SEI LIDAR: Realmente não sei lidar com esse blog de tanto que eu gosto! O Felipe é engraçado, posta sobre coisas que acontecem com ele e faz algumas reflexões bem legais sobre diversos assuntos que eu particularmente nunca havia pensado sobre, mas que fazem muito sentido depois que leio os textos dele. Outro que acesso todos os dias <3

3) PE-DRI-NHA: Sou apaixonada pela Manie! Ela tem um jeitinho doce de falar de coisa séria e agora está contando como está sua vida em outra cidade, morando sozinha e começando uma faculdade, tudo que eu já passei, por isso me identifico bastante com ela <3

4) SERNAIOTTO: A Lominha é super simpática e sempre está disponibilizando vários freebies e dicas bem legais para as blogueiras, além de nos contar como está a vida na Coréia <3

5) MULHER VITROLA: A Renata é um amor, além de ser mamai de gatos assim como eu, gosto muito de acompanhar tanto o blog quanto o Facebook dela, sempre tem coisa legal por lá <3


 - 5 BLOGS QUE EU CONHECI NO ROTAROOTS:

1) OH SO FANGIRL: A Ana (nome lindo, viu?) eu descobri por causa do BEDA, lá do Rotaroots, ela fala bastante sobre séries, filmes, livros, e gente tô gostando muito dessa gaúcha <3

2) PRATODODIA: Outra Ana linda, que também descobri no BEDA, além de ter um blog com o nome inspirado no OTM assim como o meu, ela é muito querida, vontade de conhecer <3

3) NOVAS ALICES: A Maria ama Alice assim como eu e ela é de uma cidade aqui pertinho da minha (bora fazer encontrinho?), nem acredito que tem blogueiras tão legais aqui do lado <3

4) SHE AND SALLY: Nem sei o que falar da Sally, só que ela é muito fofa gente, parece boneca e casou esses dias, tá decorando a casa nova e fez umas viagens bem legais, muita inspiração pra uma pessoa só <3

5) BMRTT: A Ba Moretti eu conheci a pouquíssimo tempo, mas já gosto bastante, ela é bem excêntrica e divertida, gótica suave haha, brinks <3


 - 5 BLOGS PARA SAIR DA ROTINA:

1) BONJOUR CIRCUS: Bonjour é pra sair da rotina porque tem posts bastante diferentes dos que eu vejo por aí, bastante filosófico a sua maneira e sei lá, só gosto <3

2) EU, CORUJA: Sou fã do Charles por motivos de que ele é foda! Escritor, professor, comentarista dos mais variados assuntos, leitor assíduo e gateiro como eu (tem que ter gato envolvido né? tem!), enfim <3

3) TWO BEE: Acompanho a Bia desde os primórdios e gostei bastante da evolução dela tanto no blog quanto nos crafts legais que ela faz e agora ela tá ensinando pra gente <3

4) MUDANDO DE ASSUNTO: Nilsen tem sempre um assunto diferente pra tratar e é nerd girl <3

5) CAOS CRIATIVO: Jess é simples e tem uma maneira apaixonante de lidar com as palavras <3

É isso gente, esses foram os meus 15 blogs favoritos do momento, claro que tem muitos outros que eu amo e que não se encaixaram em nenhuma destas categorias, mas que em outra oportunidade podem aparecer por aqui. Ah, se quiserem ver o que outras pessoas indicaram no Blog Day só clicar neste link aqui ó.


Ela, a.k.a eu



Este post faz parte do projeto 642 coisas sobre as quais escrever e este é o item 1 que sugere uma descrição da sua aparência física (na terceira pessoa), como se você fosse a personagem de um livro, então "senta que lá vem história".

(...) e então ela chegou, com uma delicadeza destrambelhada ao andar, parecia estar com sono, acho que estava mesmo, ela vive com sono, se tem uma coisa que ela gosta de fazer nessa vida é dormir. Não a culpo, já que dormir também está dentre minhas ocupações favoritas.

Ela vinha rápido, atrasada como sempre e com sua bota estilo coturno desamarrada, mas não tinha tempo pra isso, ou amarrava, ou perdia o horário, era sempre assim, alguma coisa ficava por fazer. Conforme ia chegando perto dava pra perceber melhor o quanto seu cabelo havia crescido desde a ultima vez que nos vimos, achei estranho ver todo aquele cabelo, justo ela que sempre achava um corte diferente pra fazer. Mas eles estavam quase no meio das costas, na sua cor natural castanho escuro, acho que de todos esse era o corte mais bonito que ela já teve, cabelos longos combinam com ela.

Seus olhos eram quase da mesma cor do cabelo, talvez um pouco mais claros, mas igualmente belos, na minha opinião cabelos e olhos eram o que ela tinha de mais bonito fisicamente, não que as outras partes do corpo fossem feias, mas essas tinham um destaque, o olhar era daquele tipo que sorri, mesmo sem mexer os lábios.

E os lábios, esses eram pequenos, mas suficientes para ficarem lindos no sorriso que ela carregava consigo sempre e no batom vermelho que ela estava usando, que por sinal combinava com a blusa. Não sei ao certo se vermelho era sua cor favorita, mas junto com o azul era a cor que mais vi ela usando qualquer coisa, seja roupa, acessórios ou aura.

Ela tinha baixa estatura, pouco mais de um metro e meio, mas era grande por dentro, pelo menos até onde a conheci. Era magra, apesar de que desde que a vi pela ultima vez acho que ganhou alguns quilinhos, mas e daí? Ela continuava linda.

Quando a vi mais de perto consegui perceber que suas unhas estavam curtas e sem esmalte algum, lembro da preguiça que sempre teve quando o assunto era esmalte, só pintava as unhas para ocasiões especiais ou quando seu humor estava ótimo.

Ela se direcionava para o mesmo ônibus que eu, quando sentamos percebi que fiquei em um lugar propício para observá-la pelo reflexo da janela e observando com mais atenção pude perceber que aquela menina que eu sentia tanta falta era meu próprio reflexo. Há quanto tempo não prestava atenção em mim mesma? Foi naquele momento que voltei a me amar (...)


Tá, esse texto ficou um pouco egocêntrico e sem sentido, mas não sei me descrever direito, essa menina poderia ser qualquer uma, mas era ela, mais conhecida como eu.


Clube da luta


Título: Clube da luta
Autor: Chuck Palahniuk
Editora: LeYa
Páginas: 270
Sinopse: "Considerado um clássico desde a sua publicação em 1996, Clube da luta é hoje reconhecido como um dos romances mais originais e provocativos de sua década. O humor negro de Chuck Palahniuk narra a história de um jovem funcionário que descobre que sua frustração e ira não podem ser acalmadas com o consumo desenfreado que a mídia oferece. Ele encontra alívio e redenção após horas de luta em pequenos clubes escondidos nos porões de bares da cidade. O clube da luta é idealizado por Tyler Durden, que acredita ter encontrado uma maneira de viver fora dos limites da sociedade e de suas regras sem sentido. Mas o que está por vir de sua mente pode piorar muito daqui pra frente."

Clube da Luta, juntamente com Laranja Mecânica são com certeza meus livros favoritos na categoria crítica social. Apesar de ter sido publicado em 1996 podemos analisá-lo no contexto atual que ainda vai ser super válido. Este foi o primeiro livro do Chuck que li e me fez querer ler TODOS os outros dele porque simpatizei muito com o autor. Logo após ler o livro também assisti o filme, apesar de não gostar muito de filmes baseados em livros achei que esse ficou bem adaptado, claro que sempre faltam algumas coisas por ter sido bem sintetizado, mas dá pra entender a história só assistindo ao filme.

~ contém spoilers ~ 

Trata-se da história de um típico jovem que trabalha em uma empresa, tem sua rotina no escritório e viagens a trabalho, e ele basicamente trabalha para manter seu apartamento lindo e cheio de móveis caros, porém esses móveis sempre estão saindo fora de moda e ele tem que comprar outros e assim por diante. Ele começa a perceber esse mundo mesquinho no qual está enfiado e tenta de alguma forma fazer outra coisa. Ele também sofria de insônia, não conseguia dormir a dias, foi no médico, que não deu muita atenção ao seu caso e disse: "Se você quer realmente ver sofrimento vá a grupos de apoio a pessoas com câncer". E foi isso que ele fez, lá ele se sentia bem e só conseguia dormir se fosse aos grupos.

Mas parece que isso não bastava e foi então que conheceu Tyler em uma de suas viagens a trabalho, nesse momento a vida do protagonista estava de pernas pro ar porque sua mala havia ficado retida no aeroporto e ao chegar no seu apartamento o mesmo tinha sofrido uma explosão e seus móveis caros tinham virado carvão. Ele estava sem nada e resolveu pedir ajuda a Tyler para conseguir um abrigo. Tyler vendo a completa frustração de seu novo amigo pede que ele lhe dê um soco para aliviar sua tensão e eles começaram a lutar no estacionamento de uma lanchonete. E foi aí que surgiu o clube, onde as pessoas lutavam para aliviar, desabafar e externar sua raiva. Cada vez mais pessoas apareciam para participar do clube, o que era estranho porque a primeira regra do clube da luta é que você não deve falar sobre o clube da luta. Então como cada vez mais pessoas ficavam sabendo? Todo mundo quebrava as regras.

Também participa da história a Marla (que no filme é interpretada pela Helena Bonham Carter <3), ela participava dos grupos de apoio a pacientes com câncer também, apesar de não ter câncer algum e entra na vida dos dois de uma maneira dupla. O desfecho da história é surpreendente, principalmente quando você descobre que Tyler não existe, é muito louco, só lendo/assistindo pra entender. Não sei mais explicar o meu amor por essa história, é um amor violento, de querer esfregar na cara da sociedade que o ter não nos trás felicidade.

Acabou meu 101 em 1001


No meu antigo blog eu havia feito uma lista de 101 coisas para fazer em 1001 dias, como abandonei o blog confesso que também tinha esquecido um pouco da lista. Semana passada acabaram os 1001 dias e resolvi checar quais itens eu já tinha realizado e confesso que me surpreendi, pelas realizações e também porque as 101 coisas que eu queria em 2012 são tão diferentes das que eu quero agora, incrível como mudamos tanto em tão pouco tempo. Acompanhem comigo:

1) Terminar a faculdade de Nutrição: Terminei a graduação em 2012 e foi mais que um sonho realizado, foi uma conquista enorme porque eu venho de uma família simples que na época não tinha condições de pagar uma faculdade e ter me formado em uma universidade pública foi muito gratificante, faria tudo de novo, passaria pelos mesmos perrengues novamente só pra ter a sensação única de receber o diploma.

2) Começar a fazer DIY para o blog: Eu faço "Do it yourself" todos os dias da minha vida porque improvisação e gambiarra é comigo mesma e sou apaixonada por artesanato e trabalhos manuais, prefiro fazer eu mesma do que comprar pronto. Pra postar no blog até fiz alguns, mas como eu desanimei com a vida de blogueira e só estou voltando agora não continuei com essa ideia, mas nunca é tarde.

3) Postar pelo menos duas vezes por semana no blog: Cansei de metas, se eu colocar uma obrigatoriedade já deixa de ser um hobby e passa a ser chato, então nada de metas, ok? Ok!

4) Fazer a festa de formatura: Nada melhor que celebrar o sonho realizado, foi lindo, inesquecível. Também pelo fato de ter sido a ultima vez que minha turma inteira estaria reunida porque depois cada um foi pro seu lado e eu tenho certeza que nunca mais irei reencontrar todos, então foi também uma despedida, feliz e triste ao mesmo tempo.


5) Trabalhar na minha área: Consegui, e já fazem dois anos, o tempo passa rápido demais. Claro que ainda falta muito pra categoria melhorar, mas prefiro não comentar sobre isso agora.

6) Iniciar uma pós-graduação ou mestrado: Não deu, por inúmeros motivos. Ainda quero, mas não é uma prioridade no momento.

7) Me fixar em apenas uma cidade, parar de ficar indo pra lá e pra cá: Acho que consegui, já faz um ano e meio que não mudo de cidade e isso é uma grande coisa pra quem era nômade, as vezes a tentação é grande, mas desta vez as raízes são fortes.

8) Continuar me correspondendo por cartas com pelo menos 5 pessoas: As cartas estão indo bem devagar, demoro pra escrever e pra receber resposta, mas nunca desisti.

9) Conhecer 5 amigos virtuais: Essa é uma grande alegria porque amizade virtual vale tanto quanto qualquer outra, desvirtualizei várias pessoas nesse tempo; Maiara, Henrique, Erick, Danni, Thuany, Tommi e Anny.

10) Aprender a costurar: Digamos que não me dediquei a esse item, nem fui atrás nem nada, eu ainda quero, mas procrastinei.

11) Conhecer Aparecida do Norte: Fui em janeiro deste ano com toda a minha família, que lugar lindo, abençoado! Voltarei ano que vem novamente, já está tudo planejado.

12) Ir a um show da banda Evanescence: Esse é um sonho que creio eu estar longe de ser realizado, a ultima vez que eles vieram pro Brasil foi em 2012 e acho que ainda vai demorar pra voltarem, ainda mais agora que a Amy teve nenê e está dedicando mais tempo ao filho. E viajar pra outro país pra vê-los tocar no momento está fora de cogitação.

13) Dar minha primeira aula no ensino superior com uma camiseta do MUR: Este item era da época em que meu sonho era ser professora universitária, nessa época eu participava do Ministério Universidades Renovadas, então eu queria ter esse gesto para incentivar meus futuros alunos a participar do MUR também. Hoje infelizmente estou um pouco distante do MUR e também não tenho mais um anseio tão grande em ser professora.

14) Viajar para o Equador: Ainda quero ir pra lá, assim como quero ir pra vários outros países (e dentro do Brasil mesmo), mas enquanto não dá a gente sonha.

15) Escrever um livro: Sofro de bloqueio criativo as vezes e esse livro nem chegou a ser imaginado, então vai ser difícil. Talvez um projeto a longuíssimo prazo.

16) Aprender a tocar violão: Minha irmã até estava tentando me ensinar, mas como eu mudei de cidade agora não tenho ninguém pra me ensinar e nem vontade diga-se de passagem.

17) Fazer aulas de inglês: Eu fiz seis meses na Fisk, foi muito proveitoso, mas não voltei mais. Essa minha vida de nômade é complicada, mas eu penso em voltar um dia.

18) Fazer intercâmbio: Esse era um sonho da época da faculdade, agora me parece tão mais distante, acho que isso já é algo que saiu das minhas metas de vida.

19) Comprar uma câmera profissional: Ainda não comprei, mas é algo que desejo muito e em um futuro bem próximo realizarei.

20) Aprender a tocar piano: Idem ao item 16.

21) Comprar uma bicicleta antes de comprar um carro: Não comprei nem um, nem outro.

22) Aprender a andar de bicicleta: Sim, eu não tive bicicleta na infância e agora depois de muito tempo quis aprender a pedalar. Tive alguns momentos de treino, até me aventurei pelo bairro da Maiara quando passei uns dias na casa dela (Obrigada Mai pela paciência) e pelo menos não cai nenhuma vez. Na verdade é só falta de treino porque é super fácil.

23) Ler pelo menos um livro por mês durante um ano: Já falei no item 3 sobre metas, estou tentando abandoná-las porque só me frustro, então estou lendo quando me der na telha, sem pressão, bem tranquila. Este ano li apenas quatro livros, o que eu considero um número bom já que eram livros longos.

24) Perdoar quem me deseja o mal: Olha, essa é uma questão bastante complicada porque na verdade eu não sei exatamente quem são todas as pessoas que me desejam o mal. Eu sei de algumas, mas com certeza tem outras que eu nem imagino. É a vida, não podemos agradar a todos, mas eu adotei o seguinte pensamento: "Aqui só existe o bem, se você me deseja o mal eu te desejo amor, afinal cada um oferece aquilo que tem". (É clichê, mas é a mais pura verdade).

25) Viajar em todas as minhas férias: De uma certa forma eu consegui isso porque em qualquer férias, folga ou feriado que existe na minha vida eu viajo pra casa dos meus pais. Mas aqui eu estava me referindo a viagens turísticas, se for assim também porque a partir deste ano resolvemos com a minha família que vamos pra Aparecida do Norte todos os anos.

26) Fazer uma sessão de fotos com a Evelen: Evelen é uma amiga maravilhosa que faz fotos lindas e tem um coração gigante. Ainda não tive a oportunidade de fotografar com ela, mas isso é questão de (mais) tempo.

27) Montar uma loja: Esse é um sonho que tenho desde criança, afinal quem não quer ser dono do próprio negócio? Mas é algo que requer bastante planejamento e principalmente grana, logo... É, não vai ser agora.

28) Tirar minha CNH: Oh yes baby! Consegui, com muita correria e persistência realizar essa meta. Tive alguns episódios frustrantes como desistir da moto e fazer só de carro, mas tudo deu certo no fim.

29) Deixar meu cabelo crescer até a formatura: Sim, meu cabelo ficou enorme e deu pra fazer um penteado divo.

30) Organizar meu mural de fotos: Eu até organizei, mas como me mudei não permanece mais o mesmo, agora eu estou organizando um álbum que cabe muito mais do que o mural e as fotos ficam mais conservadas, qualquer dia falo sobre isso aqui.

31) Praticar alguma arte marcial: Fui em algumas aulas de Taekwondo e amei, mas não continuei porque era muito tarde e minha casa muito longe, por questão de segurança eu parei, mas gostaria de voltar.

32) Ter móveis planejados no quarto: Primeiro eu tenho que ter um quarto pra chamar de meu, porque alugado não vale.

33) Bordar um quadro em ponto cruz: O bordado sempre esteve presente na minha vida, desde a infância quando aprendi a bordar com a minha mãe e uma tia-avó, depois de aprender o básico virei autodidata e aprendi a fazer avesso perfeito, esconder as pontas e tudo mais, mas nunca me dediquei a um trabalho maior tipo um quadro e era isso que eu pretendia nesse item: bordar e emoldurar. Ainda não realizei, mas a vontade continua.

34) Tomar banho de chuva com alguém especial: Na minha cabeça esse dia seria algo planejado, esperar aquele dia de calor e chuva para realizar, mas foi totalmente diferente, não foi nada planejado e estava frio. Eu e meu namorado estávamos indo ao aniversário de uma colega de trabalho quando desabou água, tomamos aquele banho e chegamos no aniversário encharcados, mas foi divertido, melhor do que se fosse planejado.

35) Seguir meu plano alimentar: Ok, podemos pular esse item? Podemos, então tá.

36) Ter uma casa onde possa cultivar uma horta e um jardim: Esta realização está mais breve do que eu imaginava <3

37) Adotar um cãozinho: Naquela época eu ainda não conhecia o amor pelos felinos, mas depois que conheci não quis mais saber de cachorro não. Tenho duas gatinhas lindas, é nesses itens que  a gente percebe o quanto mudou de opinião.

38) Começar outra faculdade: Ainda não, obrigada.

39) Conhecer pelo menos uma cidade de cada um dos estados brasileiros: Bom, isso ainda está longe de acontecer, até agora conheci Rio de Janeiro (RJ) e Aparecida do Norte (SP), fora as do Paraná que nem sei quantas já conheci, então só 3 estados até agora.

40) Montar um restaurante vegetariano: Mais um plano completamente sem chance, pelo menos por enquanto. Seria maravilhoso, mas nas atuais condições não dá.

41) Customizar roupas: Óbvio que estou fazendo isso porque minha meta é ficar um ano sem comprar roupa e calçado (já foram 8 meses o/), então tenho que me virar com o que eu tenho né, customizar é o que há.

42) Ter uma biblioteca pessoal: Item em andamento e acho que nunca vai encerrar porque pra livros não tenho limites, quanto mais melhor.

43) Fazer um scrapbook para 1 aninho da Anne: Anne é a filha de uma amiga da faculdade e esse item não foi realizado porque quando ela fez 1 ano nós já tínhamos terminado o curso e cada uma foi pra uma cidade e hoje ela já tem 4 anos.

44) Anotar todos os filmes que assistir durante um ano: Não preciso mais disso depois que conheci o Filmow e lá anotei todos os filmes da vida.

45) Escrever um caderno de sonhos: A ideia era a seguinte: toda vez que eu acordar anotar o sonho que tive durante a noite e é óbvio que isso não aconteceu porque eu sempre acordo atrasada e quando teria tempo pra anotar já esqueci o sonho, sempre acontece isso.

46) Parar de tomar refrigerante: Eu nunca fui uma viciada e tomava de vez em quando, mas não me fazia falta então foi bem fácil conseguir fazer isso.

47) Manter uma agenda organizada: Esta foi uma meta muito importante que consegui atingir, pode parecer bobagem, mas eu não conseguia e ano passado depois de uns problemas relacionados a isso eu tomei um choque de realidade de que eu não anotava, logo, não lembrava das coisas. Depois disso eu e minha agenda nos tornamos uma coisa só e uma não vive sem a outra. Está sendo muito boa essa relação, principalmente no trabalho, ela tem me ajudado muito.

48) Viajar para um país que tenha neve: Idem ao item 14.

49) Fazer uma colcha de retalhos ou crochê: Em andamento.

50) Aprender a fazer trança embutida em mim mesma: Desisti de tentar fazer qualquer penteado sozinha, mal consigo fazer chapinha, imagina uma uma trança.

51) Planejar minha própria cozinha: Idem ao item 32.

52) Viajar com minha família toda pra um lugar distante: Idem ao item 11.

53) Organizar as pastas do meu computador: Consegui finalmente e digo que viciei, não consigo mais deixar arquivo largado em qualquer canto e também coisa que não tem mais sentido estar ali. Tenho trauma de memória cheia então vou deletando mesmo. Próximo passo é comprar um HD externo porque né.

54: Aprender a andar de skate: Outro item que desisti por motivos óbvios.

55) Voar de asa-delta: Asa-delta, avião, balão, tô querendo voar de qualquer coisa, mas claro ainda não consegui.

56) Subir em um morro pra rezar: Queria fazer isso no morro dos Freis em Guarapuava, mas agora não moro mais lá e não sei quando vou voltar.

57) Terminar de ler a Bíblia: Agora eu entendo que a Bíblia não é um livro qualquer, então ele não deve ser lido assim do início ao fim como se fosse só mais um livro, mas deve ser lido aos poucos, com reflexões e boas interpretações. Um dia eu quero ler ela toda, mas de outra forma.

58) Aprender a jogar xadrez: Mais um item que falhou, na verdade faltou paciência e um bom professor (né Adriano?).

59) Jogar paintball: Aqui no interioR não tem dessas coisas, então acho que vai demorar.

60) Viajar de avião: Idem ao item 55.

61) Estar em 3 lugares ao mesmo tempo: Existe uma cidade no Paraná chamada Barracão onde fica a fronteira entre Brasil, Argentina e Paraguai, lá você pode realizar essa façanha, que eu ainda não fiz claro.

62) Tirar uma foto com a trupe  O Teatro Mágico: Pra mim não bastava ir no show, eu queria foto, queria abraço... E CONSEGUI! Mas não com todos, apenas com o Fernando Anitelli que é o vocalista, mas foi o que bastou pro meu sonho se concretizar. Ele é um amor e o show foi o melhor da minha vida.


63) Aprender a nadar: FUÉN! Eu tenho muito medo de me afogar, então acho que esse é um dos itens mais difíceis. No começo do ano fiz rafting no Rio Tibagi que é gigante, só Deus sabe o tamanho do medo que eu passei, mas curti pra caramba, um grande passo.

64) Conhecer as Cataratas do Iguaçu: Idem ao item 14.

65) Voltar ao Rio de Janeiro: Conheci o Rio em 2011 (acho que foi esse o ano), e foi lindo, maravilhoso como todos dizem, eu gostei muito de lá e até voltaria, mas tenho outros lugares na fila antes.

66) Começar a escrever "O fato é que...": Sinceramente nem lembro do que se trata isso, deve ser algum projeto pro blog que ficou esquecido.

67) Voltar a morar sozinha: Morar sozinha é uma experiência que gosto muito, claro que dá aquela saudade sempre, mas ultimamente não estou tão sozinha assim o que me deixa mais tranquila.

68) Escrever novamente pra Stefanie: Quando eu era criança minha tia foi pra Áustria e trouxe diversas doações para crianças do Brasil e junto com as doações cartinhas das crianças de lá. Minha tia pediu pra que eu respondesse uma dessas cartas e contasse como era o Brasil e minha vida aqui, ela traduziu e enviou pra Stefanie, uma dessas crianças de lá. Eu nunca tive resposta e quis escrever novamente para ela e saber como está hoje depois de tantos anos. Eu tinha o endereço dela e escrevi em inglês, pra não precisar da tradução pro alemão, mas novamente não tive resposta alguma, não sei se ela não mora no endereço que eu tinha ou simplesmente não quis responder, nunca vou saber.

69) Voltar a participar de algum grupo na igreja: Como falei no item 13 eu participava do MUR, aqui onde moro não tem o grupo e até tentei participar de outros, mas todos são longe e muito tarde. Não tenho com quem ir, infelizmente não estou participando de nenhum.

70) Fazer turismo por Curitiba: Ano passado morei 2 meses lá e não fiz turismo nenhum, só trabalhei e trabalhei. Pra fazer turismo tem que ir só pra isso senão não faz.

71) Ir para o Jesus no Litoral: Idem ao item 69.

72) Aprimorar meu Espanhol: Eu fiz curso por dois anos e arrisco alguma coisa, mas sem treino e sem aprimoramento a gente acaba esquecendo né? Então devo estar esquecendo muito porque não aprimorei nada.

73) Começar a fazer sorteios no blog: Idem ao item 3.

74) Fazer um piquenique: Ainda está nos planos.

75) Conhecer pelo menos 5 novas bandas/cantores: Isso é um conhecimento contínuo e a cada dia conheço músicas lindas.

76) Ter alguma coleção: Idem ao item 42.

77) Adotar uma cartinha do Natal dos Correios: Ainda não realizada.

78) Ir para Fernando de Noronha: Idem ao item 14.

79) Criar um cartão de visitas: Ainda não realizado.

80) Tirar meu passaporte: Ainda não realizado.

81) Fazer um caderno de receitas: Em andamento.

82) Aprender libras: Ainda não realizado.

83) Assistir todas as temporadas de Fringe: Meu objetivo de séries mudou muito e as que eu gostava antes não me interessam mais.

84) Assistir todas as temporadas de Psych: Idem ao item 83.

85) Postar no blog sobre todos os livros que ler: Em andamento.

86) Comprar uma bolsa decente, durável e linda: Realizado.

87) Ir ao cinema sozinha: Ir ao cinema tornou-se um evento raro porque aqui onde moro não tem cinema, então quando vou tem que ser em outra cidade e nunca estou sozinha.

88) Organizar uma agenda com endereços e telefones: Realizado.

89) Finalizar o projeto 365 de 2013: Esse projeto consistia em tirar uma foto por dia durante um ano, fiquei sem minha câmera por isso parei com o projeto.

90) Voar de balão: Idem ao item 55.

91) Experimentar pelo menos 5 alimentos novos: Desisti.

92) Comprar o domínio do blog: Desisti.

93) Fazer clareamento dentário: Ainda não realizei.

94) Participar de um desafio literário: Desisti.

95) Comprar uma máquina de costura: Ainda não realizei.

96) Fazer um curso de fotografia: Ainda não realizei.

97) Plantar uma árvore e acompanhar seu crescimento: Ainda não realizei.

98) Convencer outra pessoa a fazer a lista 101: Algumas pessoas me disseram que iriam fazer, mas nunca fui conferir pra ver se realmente fizeram.

99) Fazer uma nova lista quando acabar esta: Não vou fazer, pelo menos não uma tão grande, hoje eu percebi que quando temos muitas metas acabamos não realizando nenhuma. Claro que ainda tenho várias coisas em mente, mas não vou mais fazer uma lista absurda dessa porque vou me frustrar.

100) Realizar pelo menos metade das metas: Com certeza eu falhei.

101) Postar no blog a realização da maioria dos itens: Estou fazendo isso agora.

Ufa! Obrigada se você leu até aqui porque é muita coisa e hoje vejo que essa lista foi uma loucura, não estou mais nessa vibe de listas enormes, minhas metas hoje em dia são pequenas e se resumem em uma só: ser feliz! E a felicidade está escondida em pequenas coisas, simples e poucas. Hoje eu entendo tudo isso e a conclusão que tirei dessa lista enorme foi de que não adianta traçar muitas metas, você acaba se frustrando por não conseguir cumpri-las. Claro algumas coisas eu realizei e foi lindo, mas outras considero até bobas de se querer. Meus gostos e prioridades mudaram muito, mas foi legal relembrar tudo isso.