Eu apoio a luta!

Sou filha e neta de professores, além de ter cursado o ensino fundamental, médio e superior em escola/faculdade públicas, por isso acompanhei e acompanho de perto toda a luta que os profissionais da educação vem travando todos esses anos para que o trabalho deles seja mais valorizado e assim possa se tornar cada vez melhor. Não falo só dos professores, mas de todos os servidores públicos da educação que vêm sofrendo no decorrer de sua carreira para uma constante melhoria. 
Está acontecendo no Paraná uma histórica mobilização e reivindicação à favor da educação e eu quero aqui declarar o meu total apoio. Se sou "alguém na vida" hoje, devo tudo isso aos que me ensinaram algo durante o meu processo de aprendizado no ensino público. Não que a minha opinião/apoio vá mudar algo concreto, mas lançar ideias, enviar energias boas já é de grande valor. Se você valoriza quem te ajudou a vencer deve apoiar essa causa. 
A mídia não está divulgando o que está realmente acontecendo e ainda bem que hoje os meios de comunicação estão tão avançados que podemos acompanhar pelas redes sociais tudo o que está se passando. Não quero entrar em questões políticas/partidárias porque não cabe a mim que sou leiga no assunto discutir sobre isso e não vou afirmar que a crise foi instaurada por este ou aquele político/governo/gestão. A questão é que a luta é válida, os argumentos são coerentes e o apoio é incondicional. Força professores, vocês estão dando uma verdadeira aula prática de como lutar pelos direitos, espero que seus alunos valorizem e aprendam ainda mais com o seu exemplo!



Desafio das cartas #1 Carta para sua melhor amiga

Telêmaco Borba, 9 de fevereiro de 2015.

Dear, 
Costumamos dizer que nosso melhor amigo é aquele que está o tempo todo ao nosso lado, aquele que sabe tudo ao nosso respeito e não nos chama de amigo e sim de mané, bobão, idiota, retardado, bocó, dentre outros apelidos "carinhosos". Que puxa nossa orelha sempre que precisamos e que nos incentiva a correr atras dos nossos sonhos, por mais bobos que eles possam parecer.

Se isso é ser melhor amiga, então posso dizer que eu tenho a melhor do mundo, desde que um "acaso" nos uniu, digo entre aspas porque não acredito em acasos e sim na providência, então reescrevendo:... posso dizer que eu tenho a melhor do mundo desde que uma providência nos uniu, porque providencialmente um CD do Rosa de Saron foi parar na minha casa e providencialmente esse CD era seu e então comecei a gostar das músicas deles por sua culpa e anos depois em um dia chuvoso estávamos nós lá no show dos ditos cujos celebrando nossa amizade com lágrimas misturadas às gotas de chuva e cinzas ungidas. Foi um dia inesquecível e com certeza muito importante para ambas, apesar de não tocarmos muito nesse assunto, mas eu tenho certeza que naquele abraço de consolo foi selada nossa amizade eterna.

Eu tenho que confessar que tenho ciúmes das pessoas que estão perto de você porque eu, por triste armadilha do destino, tenho que estar aqui tão tão distante, eu digo distante apenas fisicamente porque tenho certeza que estamos muito próximas uma da outra, já que sentimento não sabe medir quilômetros.

Tenho que me desculpar por estar muitas vezes ausente, muitas vezes sem conseguir te ajudar ou estar sem ação por estar aqui e você aí... Sei que você também se ausenta, não porque quer, mas porque quando entramos na vida "adulta" surgem outras coisas com as quais devemos nos preocupar, mas apesar dessa correria sempre tem uma hora que lembramos de tudo o que passou e sorrimos porque foi bom e estávamos com pessoas que amamos.

E não importa quanto tempo passe sem nos falarmos ou nos vermos, eu sei que a gente ainda será madrinha do casamento uma da outra e dos futuros filhos, então seremos comadres e tomaremos chimarrão na varanda da sua casa analisando os carros que passam na rodovia, falando sobre qualquer assunto aleatório como sempre fazíamos e cuidando uma da outra porque afinal, amigos são anjos cujas asas ainda não nasceram. Te amo minha baixinha grande <3

Com carinho, 
Ana






Desafio das cartas


Uma das coisas que quero manter do meu antigo blog  é esse desafio, agora levarei ele mais a sério e vou escrever todas as cartas. Vi essa lista em algum Tumblr anos atrás e achei interessante. O desafio consiste em escrever 31 cartas e os destinatários são os seguintes:

Carta 1: Seu (sua) melhor amigo (a).
Carta 2: Sua paixão
Carta 3: Seus pais
Carta 4: Seu irmão ou parente mais próximo
Carta 5: Seus sonhos
Carta 6: Um estranho
Carta 7: Seu (sua) ex-namorado(a)/paixão/amor
Carta 8: Seu amigo virtual favorito
Carta 9: Alguém que você gostaria de conhecer
Carta 10: Alguém com quem você não fala tanto quanto gostaria
Carta 11: Uma pessoa falecida com quem você gostaria de conversar
Carta 12:  A pessoa que mais te causou dor
Carta 13: Alguém que você gostaria que te perdoasse
Carta 14: Alguém que se afastou de você
Carta 15: A pessoa de quem você tem mais saudade
Carta 16: Alguém que não é do seu país
Carta 17: Alguém da sua infância
Carta 18: A pessoa que você deseja ser
 
Carta 19: Alguém que perturba sua mente (de maneira boa ou má)
Carta 20: A quem mais partiu seu coração
Carta 21: Alguém que você julgou na primeira impressão
Carta 22: Alguém a quem você daria uma segunda chance
Carta 23: A última pessoa que você beijou
Carta 24: A pessoa que te deu sua memória favorita
Carta 25:  Uma pessoa que está atravessando o pior dos momentos
Carta 26: A última pessoa a quem você fez uma promessa
Carta 27:  A pessoa mais simpática que você conheceu apenas em um dia
Carta 28:  Alguém que mudou a sua vida
Carta 29: A pessoa à quem você quer dizer tudo, mas não tem coragem
Carta 30: Seu reflexo no espelho
Carta 31 - O seu porto seguro 

Gostaria de agradecer a Carolina que também está fazendo o desafio e que me incentivou a continuar com o meu!

O dia em que eu enfrentei um monstro


Já ouviu a frase: "medos bobos e coragens absurdas"? Então, sou dessas. Moro sozinha desde que tinha 17 anos, considero isso uma coragem absurda porque realmente não é fácil de se encarar a solidão dos dias, a pia cheia de louça que você sabe que se você não lavar ela não vai se lavar sozinha, etc, mas tenho medo de certas coisas que a maioria das pessoas não tem, como por exemplo o tal do volante. Gente como é difícil pra mim esse negócio!

Comecei tarde, esperei terminar a faculdade pra tirar a CNH, porque meu curso era integral e eu não tinha um pingo de tempo livre para fazer as aulas da habilitação, fiz com 21 anos, e consegui reprovar em TODOS os testes, psicotécnico, prova teórica e a prova prática fiz três vezes, três abomináveis vezes. Dava um nervoso fora do normal e eu sempre deixava o carro morrer, ou batia nos protótipos, ou subia no meio fio, uma tragédia.

Depois que consegui finalmente passar na prova prática mudei de cidade, logo fiquei sem dirigir porque não tenho carro e dirigia apenas quando ia para a casa dos meus pais e aí era outra novela. Meu pai sempre queria sair junto porque, sério, acho que ele tem mais ciúmes do carro do que das filhas, mas tudo bem. E isso me deixava tri nervosa porque ele ficava reparando na minha maneira de dirigir, falando pra eu fazer tal coisa, eu ficava sob tensão, descia do carro tremendo, dirigir tinha se tornado uma verdadeira tortura mental, não pelo que meu pai falava, mas pelo meu medo de fazer tudo errado, de bater em outro carro, de atropelar pessoas, enfim... Chegou minha carteira definitiva e eu mal tinha dirigido durante o ano da provisória.

Mas chega uma dia em que precisamos enfrentar os monstros que nós mesmo criamos e o meu monstro tinha 4 rodas e bebia gasolina. Eu nunca tinha dirigido aqui na cidade onde moro (que é bem maior que a dos meus pais) e gelava toda vez que pensava em ter que enfrentar trânsito com semáforo, trevos, rotatórias... atravessar a rodovia então era como enfrentar um dragão. Até que um dia uma colega de trabalho ia deixar o carro na empresa porque o marido dela ia buscá-la com o carro dele para viajarem, mas como ela não queria deixar o carro perguntou se eu não queria ficar com ele até ela voltar. Eu relutei, mas fiquei pensando, pensando e no fim do dia decidi aceitar porque se eu nunca tentasse como iria conseguir?

Eu não achava que teria tanta coragem, ainda mais carro dos outros, imagina se acontece alguma coisa? Toda hora ficava criando pessimismo na cabeça. Mas era tudo fruto do medo porque eu atravessei a rodovia e continuei calma, ainda fiz o caminho mais longo porque deixei uma outra colega, que estava de carona, na casa dela e então segui pra minha casa. Tinha que passar a rodovia novamente e eu não acreditei que tive tanta calma e consegui, cheguei sã, salva e viva! Desci do carro e não estava tremendo, dessa vez estávamos só eu e o carro, ninguém entre nós, eu consegui domar o meu medo e agora um carro não me parece mais tão monstruoso assim.

Esse fato parece tão corriqueiro e banal, mas pra mim foi um passo muito importante na minha luta contra o pânico e eu digo isso porque por mais pequeno que seja o nosso monstro devemos acabar com ele antes que ele se torne maior que a nossa coragem, maior que nossa força de vontade.

Qual monstro você enfrentou hoje?