A famigerada retrospectiva

Final de ano é aquela mesma história de recordar o que aconteceu, fazer um balanço, traçar novas metas, todo esse clichêzão que a gente ama. Há quem diga que nada muda, mas eu ainda teimo em acreditar naquele sentimentozinho de recomeço e esperança em coisas melhores que toda troca de ano traz. E do fundo do meu coração quero que essa esperança não seja em vão porque 2017 foi um ano difícil, aqui na minha vidinha particular, no nosso país (que só um milagre nos resta) e tenho certeza que pra todo mundo não foi um ano fácil, parece que a tendência é só piorar, mas seguimos esperando que 2018 seja um pouco mais ameno e que as merdas aconteçam em uma escala menor.

Foi um ano rude, porém são nesses momentos de crise (política, existencial, financeira, etc) que a gente aprende muito mais do que aprenderia em um momento tranquilo e calmo de sombra e água fresca, não é mesmo? E eu posso dizer que aprendi demais neste ano e me descobri mais forte do que imaginava, amadureci e consegui me enxergar entrando na vida adulta de verdade (porém sem esquecer que ainda sou um nenê), isso com certeza foi um processo de anos, mas foi em 2017 que aprendi a olhar melhor e mais profundamente pra dentro de mim mesma e me entender um pouco mais, saber dos meus verdadeiros anseios e prioridades e a deixar pra trás o que não me serve mais, literal e metaforicamente falando. Algumas coisas boas que aconteceram comigo esse ano ajudaram muito nesse processo de amadurecimento e gostaria de destacar algumas:

 - Em janeiro viajei com a minha família pra Aparecida, foi o terceiro ano consecutivo dessa viagem linda que além do significado religioso em si, tem uma importância muito grande pra mim porque na maioria do ano eu fico distante deles e esse é um momento de união e serve muito pra matar a saudade.

 - Em janeiro também, mais especificamente no dia 26 eu decidi que iria parar de comer carne definitivamente e foi uma das melhores escolhas da minha vida! Ainda estou aprendendo muito com essa decisão, muitas receitinhas novas, conhecendo pessoas que compartilham da mesma escolha. Eu sei que não vou conseguir mudar o mundo, mas posso tentar mudar a minha realidade e isso já é uma grande coisa. Além disso me tornei voluntária da ONG que ajuda a dar uma condição mais digna para os animais aqui da cidade onde moro.

 - Meu cabelo já foi do preto pro rosa e do rosa pro preto de novo porque a gente não se decide e a vida é muito curta pra ter cabelo de uma cor só. Eu amei a experiência, mas dá muito trabalho e despende muito tempo e dinheiro. Em 2018 vou deixar o cabelin descansar e crescer (quero ver eu guentar), depois que ele se recuperar podemos fazer mais algumas ~experiências~.

 - Reencontrei pessoas muito importantes pra mim, fui na formatura da Evelen, recebi a visita da Mai, conseguimos reunir a Gangue da Paulista inteira e isso foi maravilhoso porque viver pessoas era uma das minhas metas do ano.

- Tive uma perda muito difícil que foi minha Khalessi ter sumido do nada e nunca mais ter aparecido, ainda dói, mas Deusinho é bom e fui presenteada com a Hope que resgatei do abandono e ela trouxe mais nenêins pra minha vida, o meu amor pelos gatos é algo que não sei explicar de tão grande.

- Terminei as matérias da minha pós, estudá-las em si não foi tão difícil porque é uma área que gosto muito (saúde pública), a parte ruim foi que por ser à distância eu tinha que viajar muito para fazer as provas, porém ao mesmo tempo que era cansativo também era bom porque eu pude ver minha família e amigos com mais frequência. Agora falta o TCC, mas isso é pauta para 2018.

 - Apesar de parecer ter muita coisa pra fazer com o trabalho e a pós ao mesmo tempo, eu consegui ler muitos livros, ver muitos filmes e séries e ouvir muita música, incrivelmente mais do que em 2016 que eu aparentemente tive mais tempo livre. É aquele negócio de organização que tem funcionado muito bem pelo visto. Eu li TODOS OS LIVROS DA SAGA HARRY POTTER em menos de 6 meses e ao total foram 12 livros lidos no ano, pode parecer pouco, mas eu tô bem feliz. Devido às minhas viagens também fui muito ao cinema (aproveitar que sou estudante novamente e pago meia), com certeza o melhor filme do ano foi Mulher Maravilha! Pra ver a lista de tudo isso dá uma olhada na minha estante e no meu ispoitifai.

 - Entrei na vibe do minimalismo e que coisa mais gostosinha meus amigos, é tão lindo entender o que você realmente precisa e se livrar dos excessos, destralhar, deixar ir... e como consequência viver mais leve e com menos preocupações, outra coisa boa que ter menos me trouxe foi economia, claro que não resolveu todos os meus problemas, mas consegui quitar todas as minhas dívidas e me fez criar mais consciência na hora de comprar.

 - Comecei academia, larguei academia, sinto falta da academia. Tenho planos de voltar? Claro que tenho, 2018 tá aí pra isso.

 - Criei uma newsletter que está entregue às traças, porém é um formato que eu achei tão acolhedor e gostosinho de escrever, veremos qual é o futuro dela. Além disso mudei e desmudei várias vezes o layout aqui do blog porque assim como o cabelo a vida é muito curta pra ter um layout só. E gente!!!! Em 2017 o BEDA ACONTECEU! Sinto muito orgulho de mim mesma e de todo mundo que participou dessa cilada coisa linda que foi blogar todos os dias no mês de agosto. Teve ressaca pós BEDA e eu meio que não quis mais saber do blog? Teve sim, mas tá tudo bem porque é a vida. Já adianto que ano que vem talvez não tenha BEDA aqui nesse bloguinho, mas se não rolar por aqui, vou amar acompanhar as amigas tudo.

 - Além da pós também viajei algumas vezes à trabalho e conheci mais um estado brasileiro, a linda e Santa Catarina, agora só faltam mais 23 estados pra eu conhecer (rindo de nervoso porque queria viajar muito mais).

 - Eu vi o mar! Não sou uma pessoa da praia, eu nem sei nadar, aliás. Mas ver aquela imensidão de água salgada ao mesmo tempo que me bota um medo danado me trás uma paz inexplicável, comecei a ver o mar com outros olhos depois de ler os textos da Bruna Waitman.

Escrevi me expus demais, mas queria muito deixar registradas essas coisinhas que fizeram parte do meu ano e que não são nem metade do que eu vivi, mas que me ajudaram muito a sobreviver nesse ano tão turbulento e louco que foi 2017. Espero chegar viva ao final de 2018 e fazer novamente essa espécie de retrospectiva das coisas boas porque é só isso mesmo que interessa, as coisas ruins, essas podem ficar no passado mesmo. 

Obrigada por ler tudo e por estar em algum momento neste blog, no meu mundinho e participar  de alguma forma desse circo louco que é viver.

Vejo vocês ano que vem.

Sobre escrever

Dias atrás participei de um workshop promovido pela empresa onde trabalho e no meio de tantas dinâmicas e participações que o público faz durante a fala do palestrante tiveram algumas perguntas e a que eu tive que responder foi: "Qual sonho mais te deixa motivado e empolgado?", tinha um tempo para pensar, mas eu nem precisei, a primeira coisa que veio a minha mente foi: escrever um livro. Eu vejo o escrever como uma coisa incrível, algo que eu posso fazer para sempre sem nunca cansar (mesmo com alguns dias de pouca inspiração), é na escrita que busco refúgio sempre que estou muito feliz ou muito triste.

Por esses dias estive na casa dos meus pais e fui organizar minhas coisas que estão lá, doar o que não uso, jogar fora o que não tinha mais sentido guardar e encontrei tanta coisa, tantos cadernos, diários, papéis rabiscados, dentre eles está o meu primeiro caderninho, o primeiro que meus pais deixaram eu rabiscar ainda quando bebê e foi tão lindo reconhecer que isso faz mais parte de mim do que eu imaginava.

O fato de eu responder que queria escrever um livro, assim tão rapidamente demonstrou que isso ainda está dentro de mim, que eu não esqueci do meu sonho, que essa vontade de pôr tudo pra fora através das palavras é tão grande e que por mais que o tempo passe ainda sobrevive.

É pra isso que eu tenho o blog, a newsletter e o bullet journal, se não tivesse onde me expressar acho que explodiria. Este post é meio que um lembrete, um grito, um suplício pra que mesmo nos dias mais terríveis eu não esqueça que escrever é tudo que eu tenho e o que eu sempre vou ter pra mostrar pro mundo - pelo menos uma parte - do que eu sou e do que tenho dentro de mim.


A insustentável leveza do ser

Autor: Milan Kundera
Editora: Nova Fronteira
Páginas: 314
Sinopse: "É um livro em que o desenvolvimento dos enredos erótico-amorosos se conjuga com extrema felicidade à descrição de um tempo histórico politicamente opressivo e à reflexão sobre a existência humana como um enigma que resiste à decifração - o que lhe dá um interesse sempre renovado. Quatro personagens protagonizam essa história - Tereza e Tomas, Sabina e Franz. Por força de suas escolhas ou por interferência do acaso, cada um deles experimenta, à sua maneira, o peso insustentável que baliza a vida, esse permanente exercício de reconhecer a opressão e de tentar amenizá-la."

Não sei nem como começar a escrever sobre esse livro, ele é daqueles que temos que ler no momento certo, daqueles que tem que estar disposto a interpretar, a reler alguns trechos se for preciso, a grifar... e olha, o meu exemplar eu grifei quase todas as páginas, pois tem muito conteúdo, tem muita filosofia, muitos questionamentos e explosão mental. Kundera conseguiu misturar romance com filosofia, história política e muitas outras coisas e formou essa obra prima.

As pessoas me falavam dele com tanto entusiasmo e paixão que tive que passar na frente da minha fila de leituras, principalmente depois que encontrei num sebo, ele tinha acabado de chegar, nem havia sido catalogado ainda e eu por "acaso" estava passando por lá e resolvi entrar. O livro foi o meu "Es muss sein" (tem que ser).

Ele conta a história de quatro personagens que de alguma forma se cruzam, direta ou indiretamente, mostra o peso e a leveza na vida de cada um, mostra que todos somos bons ou maus, tudo depende do contexto e da situação. Tereza, Tomas, Sabina e Franz são pessoas normais, com histórias um pouco loucas em um tempo de guerra, em um tempo em que pensar poderia ser considerado crime, eles existem, eles amam, eles transam muito, eles são humanos com problemas de humanos exatamente como nós.

Mas essa humanidade é escrita por Kundera de uma maneira tão filosófica e tão terna que faz com que você mergulhe naquele mundo medíocre deles e se deixe levar pela história. Não tenho mais o que falar, apenas leiam quando sentirem que devem, porque é assim que os livros funcionam pra mim, eles chegam quando tem que chegar... es muss sein.

Alguns quotes que grifei:

"O homem, porque não tem senão uma vida, não tem nenhuma possibilidade de verificar a hipótese através de experimentos, de maneira que não saberá nunca se errou ou acertou ao obedecer a um sentimento. Tudo é vivido pela primeira vez e sem preparação. Como se um ator entrasse em cena sem nunca ter ensaiado".

"Tem de ser assim, Tomas repetia para si mesmo, mas logo começou a ter dúvidas: teria mesmo de ser?"

"No começo do Gênese está escrito que Deus criou o homem para reinar sobre os pássaros, os peixes e os animais. É claro, o Gênese foi escrito por um homem e não por um cavalo. Esse direito nos parece natural porque somos nós que estamos no alto da hierarquia. Mas bastaria que um terceiro entrasse no jogo, por exemplo, um visitante de outro planeta a quem Deus tivesse dito: 'Tu reinarás sobre as criaturas de todas as estrelas'... O homem atrelado à carroça de um marciano - eventualmente grelhado no espeto por um habitante da Via Láctea - talvez se lembrasse da vitela que tinha o hábito de cortar em seu prato. Pediria então (tarde demais) desculpas à vaca."

"If you never try, you'll never know"

Depois de postar todos os dias em agosto entrei em uma ressaca de blog que já imaginei que iria acontecer, mas não sabia que seria tão intensa a ponto de pensar em desistir disso tudo. É, a gente pensa, repensa, pensa de novo, releva, joga tudo pro alto e sai catando depois. O fato é que eu não sei até que ponto está sendo saudável pra mim continuar aqui, mas é algo que não quero abrir mão porque tem tanto de mim, do meu tempo, do meu carinho que nem sei se seria capaz de abrir mão.

E é nessa reflexão que venho responder a segunda pergunta das 50 perguntas que irão libertar a sua mente (ou desgraçar mais a sua cabeça) que é: O que é pior: falhar o nunca tentar?, bem eu acho que o pior de tudo é nunca tentar. Minha primeira chefe sempre dizia: "Tenta, o não você já tem, agora tem que batalhar pelo sim". E é assim que tento ver as coisas, a possibilidade de dar errado você já sabe que tem, mas também existe a possibilidade de dar certo e é por ela que tenho tentado lutar a cada dia.

Agora se você não tentar não vai saber, já dizia Coldplay: "If you never try, you'll never know", então se eu não tentar continuar aqui nunca vou saber se vou conseguir e é isso que vou fazer: TENTAR!

Blog Day 2017


Eu nem acredito que estou escrevendo este post! Este foi o meu primeiro BEDA com 31 postagens certinhas, e apesar da correria e de ter alguns dias que foram bem mais ou menos eu estou feliz com o resultado. Parabéns pra mim e pra todos que participaram do BEDA deste ano, foi muito legal ver todo mundo se visitando e se ajudando. Eu queria ter visitado muitos coleguinhas e interagido mais, mas não deu gente, mal deu pra escrever aqui, mas agora que tudo vai se acalmar e a frequência de posts vai diminuir eu quero fazer várias visitas por aí. Sem mais delongas, hoje é dia de indicar blogs, afinal é Blog Day, eu gosto muito deste dia porque emanamos muito amor e gratidão por toda a blogosfera. Estes foram os blogs que amei acompanhar e conhecer neste mês:

❥ APTO 401: A Nicas é uma das responsáveis por tudo isso acontecer porque se o grupo Se organizar todo mundo bloga existe e se eu estou lá é por causa dela.

❥ Beyound Cloud Nine: A Emi é o tipo de pessoa que eu gostaria de ser, ela tem gostos maravilhosos e ainda se aventura no mundo da moda, seria meu sonho?

❥ Camis: A Camila foi um presentinho que o BEDA me deu, é tanta delicadeza e singeleza que tenho vontade de morar no blog dela.

❥ Caneca meio cheia: A Roberta conheci neste ano, neste BEDA e amei por motivos de: café e minimalismo.

❥ Coffe & Flowers: A Karina tira umas fotos maravilhosas e tem um blog todo lindinho, recomendo demais, inclusive quero tirar fotos com ela um dia.

❥ Desancorando: Já declarei muitas vezes meu amor pela Maki, porque ela é maravilhosa e este ano o tema do BEDA dela foi mesmo o amor, tem tanta coisa linda por lá! Recomendo fortemente.

❥ E agora Isadora?: Conheci a Isa no ano passado também e é uma das que mantenho sempre o link pertinho de mim, eu amo principalmente a maneira como ela escreve, tão descontraída e a decoração da casinha dela que é puro amor.

 Lapsos: A Natália é outro presentinho que o BEDA do ano passado me deu, gosto da maneira realista que ela posta e me identifico demais com o blog dela.

❥ Salateando: Stephanie é super estilosa e mãe de crianças lindinhas, amei conhecer o blog dela neste BEDA.

❥ Wink: Novamente a Mia por aqui porque não poderia ser diferente né? Ano passado o BEDA me trouxe ela e se tornou uma das pessoas favoritas da vida.

Ficou provado que se organizar, todo mundo bloga sim 

O que foi o BEDA 2017 pra mim


Amanhã termina essa cilada em que eu e uma galera nos metemos, e é dia de indicar blogs maravilhosos, então vou deixar dia 31 especialmente para isso e hoje vou me concentrar em contar como foi pra mim, essa experiência de postar todos os dias do mês de agosto. Vamos por tópicos, pois amo tópicos:

  • Por que foi bom?
- Me superei: Ano passado me propus a fazer o BEDA e quase cheguei lá, postei por 24 dias e aí o barco se perdeu, não consegui concluir. Eu fiquei frustrada no início, mas depois entendi que tudo bem, afinal não é o fim do mundo não conseguir concluir um desafio, mas eu sou uma pessoa insistente e este ano quis tentar novamente e me esforcei muito mais para conseguir, até porque este ano tem a pós e mais um milhão de coisas nas quais estou envolvida. Parece que quanto mais coisas você tem pra fazer mais você arranja tempo não sei de onde.

- Conheci blogs muito legais: Um dos motivos que eu amo o BEDA é ver o pessoal se esforçando, se engajando e se ajudando pra que isso se realize e é nesse período do ano que eu conheço pessoas maravilhosas com conteúdo muito bom que talvez não encontraria se não fosse esse projeto. Falarei mais amanhã sobre os que eu mais amei conhecer este ano.

  • Por que foi ruim?
- Apesar de eu ter feito uma lista de pautas para os 31 dias, não segui à risca porque algumas coisas exigiam de mim um certo tempo e dedicação para escrevê-las, então foram ficando pra depois e sendo substituídas por posts mais rápidos e fáceis de fazer. O que me deixou um pouco triste porque eu queria fazer tudo perfeitinho conforme tinha planejado. Mas não deu né?! Por isso achei que alguns posts ficaram bem fraquinhos.

- Ansiedade: Quando eu não conseguia fazer do jeitinho que eu queria ou quando não dava tempo e eu tinha que acabar fazendo dois posts por dia pra compensar, principalmente nos finais de semana de viagem pra pós eu ficava extremamente ansiosa. E claro que isso é horrível porque o blog sempre teve um propósito de me fazer bem e me deixar mais tranquila, coisa que o BEDA não me deixou nem um pouquinho.

  • Vai ter BEDA 2018?
- A princípio NÃO, pelos motivos que citei acima e também porque não sei como vai estar minha vida no ano que vem, pode ser que muitas coisas mudem e eu acabe ficando com o tempo bem mais escasso, então não vou me comprometer com algo incerto. Claro que never say never, porque talvez dê certo sim, mas sem muita programação por enquanto. Também porque eu não quero fazer uma coisa mais ou menos, se eu for participar terei que me organizar muito melhor para que não me frustre novamente.

Você que também participou, como foi o BEDA pra você?

Pra se sentir melhor

A música as vezes tem um poder mágico que faz com que fiquemos melhores com um simples acorde, ou uma letra que converse conosco no momento em que estamos precisando. A Rê Vitrola dia desses perguntou no seu Facebook qual música fazia com que você se sentisse melhor e várias pessoas indicaram várias músicas legais e eu queria ouvir todas. Enxerida que sou, fiz uma playlist no Spotify pra ouvir depois e não é que dá certo mesmo? Tem várias canções lindas:


Qual música te acalma ou te faz sentir melhor?

Jovem pra ser velha

Este post faz parte do projeto: 50 perguntas que irão libertar a sua mente e a primeira pergunta é: "Quantos anos você teria, se não soubesse quantos anos você tem?"

Idade não é uma coisa que verdadeiramente importe pra mim, é tão relativo, pode-se ter 50 anos com a mentalidade de um adolescente, ou pode-se ter 15 anos e ser mais maduro do que alguém de 50. É só uma maneira de contar os anos e dizer pra si mesmo e para os outros o quanto de vida você já teve, porque o ser humano tem uma enorme necessidade de transformar tudo em números.

Eu tenho 26 anos e citando a Sandy: Sou jovem pra ser velha e velha pra ser jovem. E essa música fala tanto pra mim, porque diz que acabou a brincadeira e aumentou em mim a pressa de ser tudo o que eu queria. As vezes sinto que estou "desperdiçando" a vida ao viver todos os dias na mesma rotina, fazendo as mesmas coisas e deixando pra depois os sonhos que um dia eu tive e assim o tempo vai se esgotando porque a vida, ela é curta demais.

Se eu não soubesse quantos anos eu tenho não saberia dizer a minha idade, porque fisicamente estou velha, cheia de dores e problemas de adultos, mas por dentro sou aquela eterna adolescente sonhadora que acha que o mundo ainda tem jeito e que acredita que o amor vai vencer.

Idade é só uma desculpa pra não te deixarem ir na cama elástica e te obrigarem a trabalhar.


Minimalismo: roupas e calçados

Como já vimos, o minimalismo não tem regra geral, mas você pode criar suas próprias regrinhas pessoais pra conseguir se adaptar a essa escolha de vida fantástica. Já falei sobre como minimalizo os papéis e hoje vou falar sobre roupas e calçados.


Esse é um assunto bem pessoal mesmo porque cada um tem o seu estilo, gosta de determinado tipo de roupa e calçado e é dentro dos seus gostos e das suas possibilidades que você pode melhorar. Eu estou buscando o minimalismo nessa área a partir das seguintes coisinhas:

- Encontrar meu estilo: saber o que eu gosto, com qual tipo de roupa/calçado me sinto bem e o mais importante: não usar o que não gosto, só porque você tem não significa que é obrigada a usar. Novamente citando o blog da Camis: busque sua essência.

- Deixar ir: depois que encontramos nosso estilo e definimos como é a nossa maneira de vestir, tudo aquilo que não faz parte do que escolhemos deve ter outra finalidade, seja doação, venda, troca ou dependendo do estado ser jogado fora, o importante é não ficar com o armário cheio de coisas que não dizem nada para você. A Maki deu 5 dicas para desapegar das roupas que você não ama mais.

- Pesquisar marcas: depois de definir meu estilo, deixar ir aquilo que não faz mais parte e ficar somente com aquilo que te faz bem, se estiver precisando comprar mais alguma coisa é hora de pesquisar por marcas e lojas que combinem com ele, que sejam éticas e que produzam com qualidade. A Isabel Alves produziu um Guia de compras éticas bastante completo que achei o máximo.

- Comprar somente o necessário: quando você encontra seu estilo, deixa ir o que não te serve mais e pesquisa marcas legais para comprar o que for preciso, acaba percebendo que não precisa comprar muito mais depois, porque geralmente as peças conversam entre si e dá pra fazer várias combinações com elas. Por isso você terá que comprar roupas/calçados novos muito raramente e somente quando realmente precisar.

Minimalismo não é sobre ter menos, é sobre ter apenas o que importa, apenas o que te faz bem e te deixa feliz, é se livrar de excessos e abraçar o essencial.

TAG: 3 coisas

Mais TAGs para conseguir passar pelo BEDA, porque se não fosse assim não seria um BEDA oficial:

3 COISAS QUE ME DÃO MEDO
1) Pessoas: em qualquer situação, mas especialmente a noite andando atrás de mim.

2) Filme de E.T: tudo culpa de uma vez que sonhei que estava sendo abduzida (será que foi sonho mesmo?).

3) Viajar: eu sempre estou viajando por causa da minha pós ou pra visitar a família e toda vez tenho aquela sensação "ótima" de que algo errado vai acontecer e que eu possivelmente não sobreviva.

3 COISAS QUE ME DÃO PREGUIÇA
1) Sair de casa: pra qualquer situação, mas principalmente aquelas em que você precisa estar mais arrumadinha, ou que tenha muita interação com pessoas.

2) Secar o cabelo: gente, melhor coisa é deixar secar ao natural porque ninguém merece aquele negócio barulhento e quente mais conhecido como secador.

3) Discussões na internet: não entro e não gosto de acompanhar porque sério, não leva a lugar algum um  monte de gente que se acha dona da verdade distribuindo ódio gratuito.

3 COISAS QUE EU GOSTO
1) Ler meus livrinhos bem tranquila e plena sem ser interrompida pelo universo.

2) Dormir, de preferência até a hora que der vontade.

3) Ficar em casa lendo, dormindo e comendo, melhor coisa.

3 ASSUNTOS PREFERIDOS
1) Literatura 
2) Filmes e séries
3) Comida

3 ASSUNTOS QUE NÃO GOSTO DE DISCUTIR
1) Religião
2) Política
3) Esportes

3 MELHORES COMIDAS
1) Arroz com feijão (os dois assim juntinhos)
2) Pão de queijo
3) Pipoca (salgada por favor, odeio pipoca doce)

3 PIORES COMIDAS
1) Todos os pratos que contenham carne
2) Amendoim
3) Coentro

3 PIORES REDES SOCIAIS
1) Sarahahahahaha isso ainda existe? Não sei, mas um lugar onde as pessoas podem se esconder atrás de um usuário anônimo pra falar coisas que não tem coragem de falar na cara eu não confio.
2) Facebook é muito chato e cheio de reclamações, ainda tenho, porém gostaria de não ter.
3) Twitter desculpem amantes desta rede social que dizem ser a melhor, eu não tenho paciência.

3 MELHORES REDES SOCIAIS
1) Instagram melhor, pois: fotos.
2) Skoob melhor, pois: livros.
3) Filmow melhor, pois filmes/séries.

3 MELHORES BEBIDAS
1) Água obrigada @Deus por essa maravilha.
2) Suco de maracujá, pois sou estressada, beijos.
3) Saquerinha de morango <3

3 PIORES BEBIDAS
1) Steinhager, como que bebe esse troço? De amarga já basta a vida.
2) Refrigerante, prefiro comer açúcar de colher.
3) Energético, tem cheiro de xixi, desculpem.

3 COISAS QUE LEVAM TODO MEU DINHEIRO
1) Comida
2) Livros
3) Passagens

3 COISAS EM QUE EU NÃO GOSTO DE GASTAR DINHEIRO
1) Taxas do banco
2) Telefone
3) Compras parceladas

3 COISAS QUE ME ESTRESSAM
1) Acordar cedo: não fale comigo, pelo menos até eu ter tomado café.
2) Prazos: não é bem estresse, é ansiedade, mas uma coisa leva a outra e fico bem louca.
3) Pessoas, principalmente as lerdas, as mal educadas e as que se acham melhores que as outras (ou seja, a maioria delas).

Links da semana

Só falta mais uma semana para o mês acabar e eu que não acreditava que ia conseguir fazer o BEDA este ano estou me surpreendendo porque tá rolando, já rolou, é nóis! Eu estou acompanhando poucos blogs por motivos de que não dá tempo, é tanta coisa legal e acabo não dando conta de comentar em todos, mas sempre estou dando uma olhadinha e os que me mais me chamam a atenção vem parar aqui nos links lindos da semana:

❥ No blog Já fomos legais teve indicação de filmes e séries pra quem ama gastronomia e eu já anotei na minha listinha para assisti-los.

❥ A Camis falou sobre buscar a sua essência, encontrar seu próprio estilo ao olhar pra dentro de si mesma e não tentar copiar as outras pessoas.

❥ A Karina fez um post sobre não ter amigas, ou pelo menos não ter amigas presentes e eu me identifiquei tanto porque a maioria das minhas amigas mora longe e eu tenho uma enorme dificuldade em fazer novas amizades, sad but true.

❥ A Mia sempre aparece por aqui porque ela tem um blog que é um dos meus favoritos da vida e eu amei esse post que ela ensina por onde começar a ler clássicos, porque eu tô querendo muito me aventurar por esse lado da literatura.

❥ Eu nunca gostei de usar muita maquiagem, uso apenas o básico: base, rímel e as vezes delineador, batom só pra alguma ocasião especial. A Nayara falou como a maquiagem está tirando nossa identidade porque cada vez mais as pessoas estão iguais, a mesma maquiagem, o mesmo estilo, sem nenhuma personalidade.

❥ Aqui no bloguinho falei sobre o livro Caçadores de Trolls do Guillermo del Toro, respondi algumas perguntas sobre o futuro, contei como eu faço para minimalizar os papéis na minha vida, mostrei as 6 meninas do instagram que me inspiram, listei algumas músicas que combinam com certos momentos da minha vida e fiz um pequeno desabafo sobre como a comparação faz mal.

O BEDA tá acabando, força gente!

O mal da comparação


É inevitável! Principalmente em tempos de BEDA em que você não aguenta mais postar todos os dias, não tem como evitar de ver um post do coleguinha e pensar: "nossa, que post legal, por que os meus não ficam assim?" e se sentir um merda porque tudo o que você escreve parece não passar de um amontoado de palavras sem sentido. Isso acontece muito comigo, eu me cobro demais e sofro com isso, mas como eu disse no ano passado em um post pro BEDA: escrever se aprende escrevendo e não se comparando com o outro.

Cada pessoa tem o seu ritmo, a sua maneira de ver e perceber as coisas e expressá-las através de palavras, então não tem como eu querer ser melhor que outra pessoa nesse quesito, porque são as minhas experiências que me fazem como sou. O que podemos fazer é se comparar com nós mesmos e ver nossa evolução, eu tento fazer isso toda vez que começo a me comparar com os outros, volto pra mim mesma e penso em como eu era e em como sou agora e vejo o quanto melhorei e o quanto tenho que melhorar, não pra ser mais que os outros, mas pra ser minha melhor versão.

Seguimos tentando.

A grande TAG musical

O BEDA tá acabando, estamos chegando lá, falta pouco, mas posso ser bem sincera? Eu não tô aguentando mais, tem uns dias que você realmente não quer postar, não quer escrever sobre nada e acha tudo um saco, mas como eu me propus a isso preciso terminar porque odeio coisas inacabadas e na maioria dos dias é legal, eu penso que precisamos dos dias ruins também pra poder dar uma equilibrada né? E nos dias de pouca inspiração (quase todos) usamos as TAGs para conseguir dar conta de mais um post.

Esta lista de músicas eu vi no Facebook e resolvi adaptar para o blog porque achei muito interessante a forma como as músicas podem nos descrever e trazer significados incríveis pra nossa vida que só a gente sabe, só nós sentimos aquele friozinho na barriga, felicidade ou tristeza que cada som pode nos proporcionar.


1. Uma música que você goste com uma cor no título: é uma música tristinha, eu poderia ter escolhido Yellow do Coldplay que é mais felizinha, mas minha alma escura e fria prefere Pearl Jam.


2. Uma música que você goste com um número no título: 9 Crimes não me traz lembranças boas, mas foi a única com um número que consegui pensar e que de alguma forma eu gosto porque a pessoa gosta de sofrer né?


3. Uma música que te lembre do verão: não tenho muitas lembranças do verão porque não posso dizer que é minha estação preferida, mas eu imagino que se o segundo sol chegar vai ser verão pra caramba.



4. Uma música que te lembra alguém que você prefere esquecer: prefiro não comentar sobre esta música por motivos que o título da questão já explica.


5. Uma música que você precisa ouvir bem alto: Essa música é a oficial do rolê, sempre peço pra tocarem ela em qualquer lugar que posso ter a oportunidade de escolher, esses dias pedi pra tocar até na academia porque não aguento mais aquelas músicas que repetem todo dia.


6. Uma música que faz você querer dançar: gente, genteeee essa música gruda na cabeça e quando você se dá por conta já tá se remexendo toda, quem não?


7. Uma música para ouvir enquanto dirige: não que eu dirija muito, mas Sweet Dreams não dá aquela sensação de que você pode tudo? Então, é tipo isso. 


8. Uma música sobre drogas ou álcool: não tem como não ser Rehab, pelo menos não pra mim, Amy é um dos meus pontos fracos, eu amo as músicas, amo a pessoa, porém odeio tudo o que aconteceu com ela, como não odiar?


9. Uma música que te deixa feliz: apenas ouçam, sintam a vibe e vejam a letra dessa música maravilhosa e vocês vão entender porque ela tá aqui.


10. Uma música que te deixa triste: ainda não existe música no mundo que me deixa tão triste quanto Vento no litoral, eu não posso nem ouvir a introdução que meus olhos já ficam marejados, não é exagero, é real/oficial.


11. Uma música que você nunca se cansa: creio que este ano quando o Spotify mandar aquelas estatísticas e aquela playlist de mais tocadas no seu ano (eu espero muito que façam isso, pois amo) Bohemian Rhapsody vai ser a primeira e em segundo vai estar ela mesma, mas na versão do Panic!At the disco, porque se tem uma música que eu não canso é essa, posso ouvir todos os dias, na realidade preciso.


12. Uma música da sua adolescência: não poderia ser outra, ouço e já lembro da Aninha emo, gótica, trevosa ouvido My Immortal e chorando por coisas que hoje em dia eu riria, fases, fases...


13. Uma música favorita dos anos 80': confesso que tive que procurar as músicas dos anos 80 e ver qual delas eu gostava porque eu não sei identificar as coisas pelo ano que elas aconteceram, além do que nos anos 80 eu nem sonhava em nascer, nem tinha como sonhar porque afinal nem existia, mas enfim vocês entenderam.


14. Uma música que você gostaria que tocasse no seu casamento: no fundo, mas bem lá no fundinho mesmo eu ainda sou romântica e também uma cowgirl então me deixem porque essa música vai tocar no meu casamento sim.


15. Uma música cover: eu super acho que tem algumas músicas cover que são melhores que a original e a Jade Baraldo, QUE MULHER, chego a derreter falando dela porque nessas horas eu até esqueço que sou hetero. E cantando música da Lana, não tem como ficar melhor.


16. Uma de suas músicas clássicas favoritas: música clássica me dá soninho, mas não no sentido ruim, é bom, é gostosinho, é relaxante e essa sempre ouço quando quero essa sensação.


17. Uma música que você cantaria fazendo dueto em um Karaoke: Sandy e Júnior né gente, não tem Karaoke se não tiver Sandy e Junior.


18. Uma música lançada no ano em que você nasceu: eu não tinha a menor ideia, mas essa é uma das minhas músicas preferidas e nasceu no mesmo ano que eu, coincidência? Eu acho que não.


19. Uma música que faz você pensar na vida: apenas ouçam.


20. Uma música que significa muito pra você: essa música da banda Scalene fala sobre mãe, mais especificamente fala sobre o que eu gostaria muito de falar pra minha mãe, significa tudo o que eu sinto em relação a ela e em relação a eu sair de casa pra trilhar meu próprio caminho. Feelings...


21. Uma música com o nome de uma pessoa no título: Stefani Joanne Angelina Germanotta, aka Lady Gaga.


22. Uma música que te empurra pra frente: trocadilho com ao título? Sim, temos.


23. Uma música que você acha que todos deveriam ouvir: eu salvei essa música ou essa música me salvou? Sério, todos deveriam ouvir e amar a si mesmo.


24. Uma música de uma banda que você gostaria que ainda estivessem juntos: não tem nem o que falar né?


25. Uma música de um artista que já morreu: ainda não sei o que eu sinto em relação ao Michael, mas tem algumas músicas como essa que gosto muito.


26. Uma música que faz você querer se apaixonar: Cássia Eller já apareceu bastante por esta lista não é mesmo? Mas essa música, tão linda ela.


27. Uma música que quebra seu coração: vários sentimentos em uma música só, nem sei o que falar, só sentir.


28. Uma música de um artista que você ama a voz: poderia ter colocado alguma música da Adele, Sia, Bruno Boncini ou Guilherme de Sá, mas Reação em Cadeia me marcou demais e não poderia deixar de fora essa voz.


29. Uma música que lembre da sua infância: poderia ter colocado balão mágico ou qualquer outra música infantil, mas essa música nada infantil tem uma historinha. Era 1995, estava no ar a novela Pátria Minha cujo um dos protagonistas era o Fábio Assunção, era época onde só se podia ouvir músicas pelas fitas e eu tinha uma fita da trilha sonora dessa novela, que inclusive o ator já citado estava na capa e eu amaaaaaaaaaaava essa música que o nome é só um resmungar, não me julguem. Poderia ter colocado Mamonas Assasinas também, mas tive que escolher só uma.


30. Uma música que faz você lembrar-se de si mesmo: incrível como escolher as outras foi tão mais fácil, algumas até tinham várias opções, mas uma música pra falar de mim mesma foi a mais difícil. Morada fala de alguém que eu tenho que me lembrar todos os dias para ser, acho que no momento foi a melhor escolha.




6 meninas do Instagram que me inspiram

O Instagram é a minha rede social favorita, por motivos de: fotos. Mas não é só isso, por trás de cada foto tem uma história, tem um ser humano mostrando ali pedaços lindos da sua vida. Atualmente não sigo muitas pessoas porque fiz uma limpa e deixei só os que mais gosto e mais me identifico, hoje quero mostrar seis perfis de meninas que me inspiram por lá:

@layslas: A Lay é uma querida, mora em Fortaleza e compartilha sua vida com marido e suas duas doguinhas lindas, era rosinha como eu e agora tá com o cabelo escuro também "nóis" combina, suas fotos são sempre alegres e de cores que acalmam, fora os stories com o jeitinho de "falá" que "eu ama".


@renosaurio: A Jimena é de Madrid e amo ver ela falando espanhol e inglês ao mesmo tempo, adoro essa misturinha. Também tem o cabelo rosinha e tira umas fotos maravilhosas.


@nutricionistarafaelamold: a Rafa é nutricionista e vegetariana, assim como eu, gosto muito dela porque ela ensina muitas receitinhas maravilhosas e fáceis de fazer, também gosto de acompanhar a maneira como ela trabalha e isso me inspira muito todas as vezes que começo a desistir da nutrição.


@nataliavianaflor: a Natália se dedica a um assunto que eu também amo: flores! É cada foto linda e inspiradora que fico suspirando e querendo logo plantar o meu próprio jardim.


@omundodejess: a Jess é uma fofa de cabelos e feed coloridos, sempre tem fotos de coisinhas bonitinhas e muita, mas muita cor.


@diasdelouise: a Louise é daquelas que você quer amassar de tanto que é linda, tem o feed mais escurinho com fotos dela e da natureza, não preciso nem dizer que eu amo.


Outro dia mostro mais alguns feeds que eu amo e estou sempre acompanhando. Instagram é aquela coisa né: só momentos e fotos lindas, mas não podemos pensar que a vida das pessoas é sempre maravilhosa e a nossa é uma merda, porque todo mundo tem seus dias difíceis, mas dor e sofrimento ninguém gosta de compartilhar, então devemos ter aquela consciência de não ficar se comparando com ninguém nas redes sociais. 

Minimalismo: papéis

O minimalismo não tem regras, mas algumas coisas que fazemos e que dá certo pode servir de inspiração para as outras pessoas, foi assim que eu cheguei até aqui: com relatos de experiências de outras pessoas, buscando sempre absorver o que é viável para a minha realidade e adaptando sempre ao meu dia a dia. Por isso eu gostaria de dividir com você, que de vez em quando vem passear por aqui, algumas coisinhas que eu faço ou que estou tentando fazer para viver a vida minimalista. E tudo o que eu escrevo, além de servir para outras pessoas, também é como uma espécie de diário pessoal porque sou uma pessoa bastante esquecida e também porque gosto de deixar tudo organizadinho e aí já aproveito pra mostrar pro mundo o que eu encontrei de melhor, acho que isso é a mágica de se ter um blog.

Como a louca das listas que sou, tentei separar em tópicos o minimalismo no meu mundo e a primeira coisa sobre a qual venho falar é algo que utilizo muito desde sempre: o papel.


Eu gosto muito de escrever à mão, por isso sempre tenho um caderninho ao alcance pra anotar todas as ideias que se passam pela minha cabeça, por conta disso já cheguei a ter imensidões de cadernos, bloquinhos de anotação, post-its, etc, mas e depois, pra onde vai tudo isso? Lixo? Fogueira? E o que tem por trás do papel até ele chegar em nossas mãos? Eu lhe digo: tem uma árvore, ou melhor, tem muitas árvores.

E pensar em como eu estou destruindo árvores mesmo que indiretamente e inconscientemente me deu um susto, porque as árvores demoram muito pra crescer, elas estão diminuindo no planeta e tudo mais o que já sabemos sobre elas... foi quando o minimalismo foi chegando e eu fui levando para o lado dos papéis também e hoje eu tenho algumas "regrinhas" sobre o papel na minha vida:

1) Digitalizar tudo: aqui entra principalmente a parte das contas, boletos, etc. Hoje em dia, a maioria das empresas pensando no meio ambiente (e também na sua economia porque elas não são bobas nem nada) estão investindo em contas digitais, em enviar o código de barras do boleto por e-mail ou mensagens de texto, cada vez menos recebemos contas pelo Correio e isso é ótimo, sempre que posso migro para esse serviço que além de ser mais prático diminui muito os papéis. Além disso, também procuro digitalizar os manuais e garantias dos produtos que compro, na dúvida tá ali no computador guardadinho e sem acumular papéis.

2) Evitar imprimir: sou de um tempo em que ter impressora em casa era um luxo e quando tive minha primeira impressora a vontade era de sair imprimindo tudo o que achasse legal e eu fiz isso, gastei muita tinta e papel nessa brincadeira, mas no fim tudo acabava indo pro lixo. Na era de e-mails e mensagens digitais, celulares e tablets que você pode levar pra qualquer lugar, imprimir é quase inútil. Então, eu só imprimo quando é algo muito importante como um documento, ou que precise de assinatura. Já faz muito tempo que não sei mais o que é trocar um cartucho.

3) Utilizar rascunho: digamos que tive que por algum motivo imprimir algo, mas que não vou mais utilizar, então antes de jogar fora eu utilizo todos os cantinhos da folha, seja novamente para impressão ou então faço bloquinhos de rascunho para anotação, isso reduz muito o uso de folhas em branco.

4) Separar para reciclar: depois que utilizei o papel de todas as formas possíveis e que realmente o único destino for o lixo, sempre coloco na lixeira seletiva para reciclagem.

5) Recusar papel: eu já citei 5 coisas que não compro/utilizo mais e dentre elas estava os comprovantes do cartão, além disso eu nunca pego panfletos na rua, as vezes me sinto um pouco antipática com as pessoas que estão distribuindo porque sei que é o trabalho delas, mas geralmente agradeço e não pego porque com certeza serão de coisas que não tenho interesse e acaba indo para a primeira lixeira que eu encontrar ou pra minha bolsa e de lá para a lixeira de qualquer forma.

6) Ter apenas um local de anotação: no meu caso tenho dois, um para anotações pessoais que é o Bullet Journal e outro para anotações do trabalho, porque nesse caso gosto de deixar tudo separado. Mas fora esses dois, não tenho mais milhares de cadernos e papeizinhos avulsos.

Lembrando que isso é o que se encaixa na minha vida, pra você pode ser diferente, mas tudo pode ser adaptado, o importante é (se você se sentir a vontade) da sua maneira tentar fazer alguma coisa para mudar.

O futuro é logo ali

Pessoas ansiosas como eu sofrem muito com o futuro e como se já não bastasse esse desgraçamento da cabeça que vivo diariamente aparecem TAGs com perguntas sobre o assunto e me segura que quero responder.


1. Como você se vê daqui a 10 anos?
Mil coisas passam pela minha cabeça quando se trata do futuro, afinal NÓS NÃO SABEMOS, a não ser que tenhamos contato com o etzão de Arrival, não tem como saber. Mas eu não tenho sonhos tão ambiciosos pra minha vida, só quero estar em paz, estar com pessoas que amo e de preferência ter uma grande biblioteca e passar o dia lendo.

2. Você acha que terá os mesmos amigos em 10 anos?
Os mesmíssimos acho que não, as pessoas chegam e vão embora da nossa vida e não podemos segurá-las. Sempre estamos conhecendo pessoas novas e infelizmente (ou não) nos afastamos de outras e esse é o ciclo. Claro que existem aquelas que irão permanecer e eu espero que as verdadeiras permaneçam sim e que possamos envelhecer juntos.

3. Você se vê casada e com filhos?
Estabelecer uma família e colocar criaturinhas nesse mundo cruel é uma responsabilidade enorme, mas é algo que quero experimentar sim.

4. Qual o seu maior medo do futuro?
É um medo bastante real e que de uma maneira ou de outra vai acontecer, mas que eu queria poder adiar o máximo possível que é: ver meus pais indo para outro plano, é algo que dói só de imaginar.

5. Que diferença gostaria de fazer no mundo?
Esse mundo está tão cagado que as vezes a gente acha que qualquer coisa que fizermos não vai adiantar de nada, mas adianta sim, se você puder mudar a você mesmo já estará fazendo algo pelo mundo e eu gostaria muito daquele clichê de escrever um livro, plantar muitas árvores e ter um filho e no meio de tudo isso tentar mostrar pro mundo que a melhor escolha é sempre o bem.

6. O que quer mudar em si mesma num futuro próximo?
Fisicamente é sair do sedentarismo porque com a idade chegando vamos ficando crocantes e travados, já comecei esse processo indo na academia 3 vezes por semana e tentando me alimentar melhor, além disso quero me tornar vegana, o vegetarianismo já consegui. Em outros aspectos acho que estou mudando a cada dia, tentando ser melhor comigo mesma, com todos a minha volta e com o universo, tentando produzir menos lixo, ficar menos estressada, aproveitar melhor os momentos bons, diminuir a ansiedade... é uma luta constante.

7. Qual viagem gostaria de fazer nos próximos anos?
Nossa, o mundo é tão grande e gostaria de conhecê-lo todinho, mas se for pra escolher um destino e lutar por ele seria Paris (sim, sou um amontoado de clichês).

8. Quais coisas mais gostaria de aprender?
Costurar, é uma coisa tão simplinha, mas que eu acho lindo e gostaria muito de fazer. Além disso, aprender francês e a me expressar melhor.

9. Qual arma você escolheria num futuro apocalipse zumbi?
Vixe, se isso acontecer eu não sobreviveria muito tempo não porque minha habilidade em lutas é zero. Talvez uma arma de longo alcance para eu matar zumbis bem de longe, mas munição não dura pra sempre então talvez um taco de golfe ajude bastante também.

10. O que está fazendo para realizar tudo que deseja no futuro?
Basicamente nada, como disse, minhas ambições não são tão extravagantes assim e a vida vai acontecendo de uma maneira que tudo se encaixa um dia. Claro que trabalho e estudo nunca é demais (mentira é demais sim, mas a gente aguenta) pra um crescimento constante, mas vamos todos morrer mesmo, pra que ficar louco com essas coisas não é mesmo?

Caçadores de Trolls


Autor: Guillermo Del Toro e Daniel Kraus
Editora: Intrínseca
Páginas: 340
Sinopse: "Uma história de terror criada por um dos artistas mais visionários da atualidade. O estilo inconfundível e marcante de Guillermo Del Toro, sempre envolvendo universos mágicos, criaturas fantásticas e histórias espantosas, está presente em toda a sua obra como cineasta, roteirista, produtor e autor. Em Caçadores de Trolls, ele presenteia os leitores com uma história sombria e de dar arrepios, com ilustrações capazes de nos transportar para um mundo paralelo apavorante. Jim Sturges é o típico adolescente na cidade de San Bernardino: tem um pai super protetor, um melhor amigo meio desajeitado e uma paixão platônica por uma menina que nem sabe que ele existe. mas isso tudo muda quando um mistério de décadas ressurge, ameaçado a vida de todos os moradores da entediante cidadezinha. Junto com um grupo de heróis improváveis, Jim terá que enfrentar monstros com um gosto especial por carne humana. Um livro sobre os medos e criaturas que se ocultam onde menos se espera."

Depois que terminei a saga Harry Potter, minha sede por leitura aumentou ainda mais e por isso já comecei outro livro logo em seguida. Mas após uma série de 7 livros que são maravilhosos, mas que te sugam de uma maneira inacreditável eu optei por uma história que considerava mais leve e tranquila de se ler. Acontece que era um livro do nosso querido Guillermo Del Toro e não foi assim tão leve e tranquilo como eu esperava, afinal as histórias dele são incríveis e cheias de elementos mágicos e criaturas estranhas.

Caçadores de Trolls conta a história de uma pacata cidadezinha chamada San Bernardino, a narrativa começa 45 anos antes, quando a cidade passou por um momento desolador onde várias crianças sumiram e nunca mais foram encontradas. O narrador é Jim, sobrinho de um desses meninos que desapareceu, por ter sido o irmão que conseguiu fugir, o pai de Jim cresceu com um medo absurdo de tudo e super protegia ao máximo o filho.

Jim não era popular, não fazia parte de nenhum grupo ou time na escola, só tinha um amigo: o Bola, e os dois eram constantemente espancados pelo principal jogador e garoto mais popular da escola. Até que um dia Jim de uma maneira muito assustadora descobriu que ele pertencia a uma família que tradicionalmente era caçadora de trolls e é aí que a aventura no submundo começa, com muitas descobertas pessoais e de um mundo diferente do que ele estava habituado.

Por que eu gostei? Porque foi uma história com princípio, meio e fim, tudo ficou bem esclarecido e os ganchos todos fechadinhos no final. Não ficou aquele gostinho de quero mais porque tudo ficou resolvido, gosto assim. Outra coisa que me agradou bastante foram as ilustrações feitas pelo Daniel Kraus, ficaram bastante condizentes com as características da história, principalmente dos trolls.

Por que eu não gostei? Apesar de já imaginar que seria assim, achei a história bastante infanto juvenil, fora algumas partes que foram realmente fortes demais para ser lido por esse público, o decorrer do livro foi bastante "historinha de adolescente aventureiro". Recomendo pra quem quer uma história de terror, porém não muito.

Tem uma animação na Netflix dessa história que ainda não assisti, parece ser bem mais infantilzinha que o livro, porém quero muito ver.

Links da semana

Se vencemos 3 semanas de BEDA acho que conseguiremos ir até o fim, falta pouco, dessa vez vai! E como de costume, na sexta-feira trago alguns links legais que vi por aí, pode ser do BEDA ou não, mas tenho certeza que vão gostar:


❥ Dia 1 de agosto eu me matriculei na academia, agora se estou indo regularmente é outra história kkk (rindo de nervoso), a Isa escreveu sobre a experiência dela na academia e eu super me identifiquei.

Domingo foi dia dos pais, eu infelizmente não pude passar o dia com o meu, mas tinha ido vê-lo na semana anterior, afinal dia dos pais é todo dia. A Mia fez uma listinha de 6 pais da ficção que merecem um joinha, e merecem mesmo.

 Este post da Karina nem é desta semana, mas como eu só vi depois que já tinha feito o da semana passada, trouxe pras indicações mesmo assim porque gostei muito do projeto que ela e outras meninas super legais estão fazendo para exercitar a escrita e desta vez elas escreveram sobre o melhor de cada uma delas.

 Acho que todo mundo tá cansado daquelas pessoas que não leem seus posts e mesmo assim comentam qualquer coisa só pra ganhar uma visita de volta né? A Nikas falou sobre isso e uma dica: não seja esse tipo de pessoa.

❥ Que eu tô na vibe do minimalismo vocês já sabem né? Por isso gostei tanto dessas 5 dicas da Maki para desapegar das roupas que você não ama mais.

❥ E por aqui rolou post todo dia também, estou orgulhosa de mim mesma porque não imaginava. Ultimamente estou viciadinha em músicas de cantores nacionais e falei sobre alguns santos de casa que fazem milagre sim, fiz uma homenagem muito mais que merecida ao brócolis, também teve bad e fiz um post bem nada a ver pra desabafar, comentei sobre o que é minimalismo e o que está significando pra mim essa filosofia, respondi 31 questões aleatórias porque uma tag sempre nos salva e contei as coisas que eu vejo da minha janela.

Ufa, metade do mês já foi!