menu
2 de abr de 2018


Espalhei boatos falsos de que este ano seria o ano em que eu escreveria mais por aqui, mas não estava satisfeita com as ideias que eu tinha pra escrever, nem com o layout, nem com nada pra ser bem sincera. Comprei um domínio, transferi pro tumblr, amei e depois odiei, voltei pro blogspot, troquei o layout por um que gostei bastante, mas mesmo assim não conseguia escrever, não conseguia achar nenhuma ideia legal, criava posts e apagava porque achava que nada estava perfeito e não estava mesmo porque nada tem que estar perfeito. Depois de um deserto criativo entendi que eu só precisava escrever, porque isso é uma das coisas que mais gosto de fazer na vida e não precisava estar perfeito, afinal nada é. Cogitei até a ideia de deletar tudo, a gente tem essas fases né? De achar que pra recomeçar precisa apagar tudo e começar do zero, mas por que não dá pra recomeçar, sei lá, do 123? Foram 123 posts até aqui e eu não me permiti deixar tudo de lado, afinal este blog mesmo que aos trancos e barrancos faz parte de mim, então vai ficar aqui e eu vou continuar do jeito que dá. Preciso escrever qualquer coisa, deixar registros, mesmo que pra eu mesma saber como eu fui. Já que os diários foram esquecidos, aqui é de certa forma um relicário pra relembrar no futuro. Falando em tempo, já estamos em abril!!! E o que foi que eu fiz nesses 3 meses? Parece que nada e muita coisa ao mesmo tempo:

//SENTI - APRENDI - DESCOBRI - ENTENDI
- Que 2018 não está para brincadeira, foram 3 meses de loucura na minha vida e na vida de várias pessoas que eu conheço e das que não conheço também, parece que é um ano de decisões, sei lá como que é essa parada astrológica, mas tá bem louco.

- Não damos valor para as coisas que estão todos os dias conosco, como por exemplo os sentidos, em fevereiro tive uma inflamação no ouvido que foi o suficiente pra me deixar parcialmente surda por algumas semanas e foi uma sensação horrível de impotência e tristeza por perder uma coisa que é tão normal e que eu não parava pra pensar e dar tanta importância.

- Que ter uma casa é muito mais do que apenas comprá-la, não é só o dinheiro, é a ansiedade pra mudar, é a pastinha no Pinterest com tudo que você quer fazer pra decoração, mas que não é bem assim que vai rolar, é a felicidade em ter um cantinho pra chamar de meu, é tudo de bom!

- Felicidade por estar perto da família, e ela estar bem! Felicidade não tem nada a ver com posses, viagens ou qualquer outra coisa do tipo, felicidade é estar no ninho (mesmo as vezes sem estar fisicamente) e vê-los felizes e realizados.

- Que parar de comer carne foi uma das melhores decisões da minha vida e já faz um ano dessa decisão tão acertada que só me traz coisas boas, é só querer, não é difícil não minha gente!

- Que gatos sempre serão os melhores animais pra mim, sabe? Não tem como explicar essa ligação, eu não tenho nada parecido com nenhum outro animal, é incrível!

- A maternidade mais perto de mim, tem muita gente grávida ao meu redor e a vontade de ser mãe tem me rondado cada vez mais, é muito louco esse sentimento.

- A dor mais gostosa que é da tatuagem, fiz mais uma, a quarta e maior de todas até agora.

- Que desistir não é a pior coisa do mundo, é isto.

- Que a paciência é mesmo uma virtude e que preciso desenvolvê-la melhor, o que significa que tenho que tentar viver no hoje e não nas coisas que ainda não aconteceram.

- Sofri com a morte da Marielle, mesmo sem conhecê-la, parece que a cada mulher morta morre um pouquinho das outras junto, morre uma parte do sonho de que um dia tudo vai ficar melhor, de que seremos livres e com todos os direitos garantidos. Mas ao mesmo tempo que morremos com ela renascemos mais fortes para continuar lutando, um dia vai!

//LI
- Outros jeitos de usar a boca - Rupi Kaur
- Orgulho e preconceito - Jane Austen

Dois livros escritos por mulheres, já que me propus a ler mais mulheres em 2018. O primeiro foi rapidinho, apenas algumas poesias pequenas, porém pesadas que fazem a gente refletir tanta coisa... Agora o segundo foi uma leitura bem lenta porque demorei engatilhar, sabe? Estava achando bastante chato no começo, mas depois que Elisabeth foi desenvolvendo mais seu personagem fui gostando cada vez mais e do meio pro fim a leitura deu uma acelerada, não se tornou meu livro favorito da vida, mas com certeza é um dos que mais me marcaram.

//ASSISTI
Séries:
- The end of the fu***ing world (1ª temporada) uma série teen meio creepy, nada muito extraordinário, mas deu pra passar algumas horas de distração.

- Dirk Gently's holistic detective agency (2ªtemporada) é maravilhosa, você não entende nada, mas ama mesmo assim, tem o menino Frodo e é baseada em um livro de Douglas Adams, só isso basta pra ser ótima.

- La casa de papel (1ªtemporada) gostei muito de ter uma série popular que não fosse uma produção americana ou britânica, apesar de muita gente não ter gostado o estilo novela mexicana eu achei ótimo ter uma série estrangeira tão bem vista no meio, tem muito drama e romance no meio da ação? Tem sim e por isso foi maravilhosa.

- Dark (1ªtemporada) ainda estou tentando absorver essa série, a cada episódio você fica com um ponto de interrogação a mais na cabeça, a temporada acaba e você fica sem entender nada e por isso é fenomenal.

- Riverdale (1ªtemporada) não estava dando nada pra essa série, mas ela me cativou de uma maneira que devorei a temporada em dois dias. Alguém morre e tudo se desenrola a partir dessa morte, ninguém sabe exatamente como foi, quando foi ou quem foi. Tem escola americana e todo esse clichê de adolescentes descobrindo a vida, mas eu amo um clichê.

Filmes:
- De volta para o futuro I, II e III sim eu ainda não havia assistido essa trilogia clássica do cinema e me arrependo por não ter visto antes, agora eu entendo tantas referências...

- Matrix idem, é um filme que te faz pensar fora da caixinha e tão questionadora que nem sei.

- Voldemort: a origem do herdeiro é um filme feito por fãs, mas que teve uma produção razoável e fez aquilo que se propôs, não ficou a melhor coisa do mundo, mas pra quem tem sede de mais do universo Harry Potter foi bem legal sim.

- Thor: Ragnarok a Marvel e sua insistência em ser cômica tirou um pouco do ar sombrio do Thor, não vou dizer que ficou ruim, mas também não é um dos meus preferidos.

- Corpo Fechado assisti esse para poder ver Fragmentado na sequência porque tem uma ligação aí nesses filmes, por serem do mesmo diretor e tudo mais.

- Fragmentado foi uma loucura, as vezes entendia, as vezes não, mas não foi de todo ruim.

- Aniquilação que viagemmm, o começo é ok. você fica com aquele mistério no ar, mas o final foi muito viajado e não fez sentido nenhum, o que salvou foi a Natalie Portman.

//OUVI

As vezes as coisas se misturam aqui na minha cabeça e ao mesmo tempo que tenho muita coisa pra escrever não acho que seja nada interessante, por isso fico dando esses hiatos e não vou prometer que isso não vai mais acontecer porque com certeza vai, mas o blog é meu e escrevo quando der na telha, não é mesmo?