menu
2 de jun de 2018


Já faz um tempo que eu venho adiando falar deste assunto, era pra ser um assunto feliz, eu deveria estar dando a notícia de que iria ser mamãe, na verdade eu já tinha começado a escrever sobre isso, já tinha escrito sobre toda a emoção da descoberta, sobre como já tínhamos escolhido os nomes, sobre a tensão em contar pra família e sobre como é linda essa espera. Estava tudo maravilhoso e do jeito que sempre sonhamos, mas nossos sonhos as vezes se transformam em pesadelo.

A notícia agora é outra e eu não consigo mais adiar pra falar disso porque é um sentimento que quero tirar de dentro de mim e falar/escrever é uma das maneiras mais eficazes de esvaziar toda essa coisa pesada que está dentro de mim... meu bebê voltou a ser anjinho, eu não pude conhecer seu rostinho nem sentir seu cheiro, muito menos ouvir seu choro. Mas foram 9 semanas de muito amor, de muita descoberta e muita entrega, semanas intensas de alegria e medo, mas principalmente alegria.

Eu não sei o que deu errado, ninguém sabe, simplesmente ele não se desenvolveu como deveria ser e o corpo fez o que tinha que ser feito, eliminou por conta própria, não precisei fazer nenhum procedimento invasivo ou doloroso, ele só se foi, da maneira como veio, sem avisar, sem dar tempo de nada, mas me transformou, me tornou uma pessoa diferente, ninguém fica igual depois de um filho.

Podem dizer o que for, que ele ainda nem era um feto, que ele não sentia nada, pra uma mãe que ouviu um coração batendo dentro de si, que viu seu corpo se transformando e aí de uma hora pra outra não ouviu mais, não sentiu mais é como se tivesse perdido uma parte dela mesma. 

Ainda é bastante recente e lembrar dói e escorre pelo rosto em forma de lágrimas, nunca vai passar, mas a dor vai amenizar e o consolo sempre chega de uma forma ou de outra. A vida segue, mas de uma maneira totalmente nova, com mais feridas, mas também com mais ensinamentos e apesar de tudo me levar pra tristeza e sentimentos ruins eu não vou me deixar abater, tenho certeza que meu anjo não gostaria de ver a mamãe mal em nenhum momento. Vai doer o que tiver que doer, vou chorar o que tiver que chorar, é tudo mais escuro antes do amanhecer, mas amanhece e a gente aprende a conviver com a dor e até transforma ela em amor.

Cuida da gente anjinho, você nunca será esquecido!