6 meses


Acho que esqueci como se escreve de tanto tempo que não consigo digitar uma linha que seja aqui neste blog, mas tem tanta coisa acontecendo que as vezes esqueço até de registrar, na verdade mal estou tirando fotos e olha que eu sempre tirei fotos de tudo. O fato é que estou vivendo cada momento intensamente, aproveitando cada segundo do meu filho dentro de mim.

Isso mesmo: filho, vou ser mãe de menino! O nome escolhido é Joaquim Thomaz, Joaquim foi meu marido quem escolheu e Thomaz é em homenagem ao meu avô que este ano completa 90 anos. Eu relutei bastante em colocar nome composto porque sei por experiência própria que acaba usando apenas um, mas pra todo mundo ficar feliz acabei decidindo colocar sim, depois ele decide qual vai gostar mais (ou não) e tá tudo bem.

A gravidez é aquele velho chichê de que só se sabe como é quando se vive, por mais que eu tivesse ouvido relatos, lido artigos, livros, conselhos e tudo mais, absolutamente nada consegue explicar o sentimento porque cada mulher vai sentir diferente. E por mais que eu esteja sentindo, jamais vou conseguir explicar em palavras o que é!

Só consigo dizer que é uma mistura de tudo: alegria e ansiedade para vê-lo, mas também medo e vontade de que ele fique protegido no meu ventre pra sempre. O meu medo mais palpável no momento é da hora do parto, quero muito que seja normal, na verdade do parto normal não tenho medo, é a coisa mais natural que existe, tenho relutância mesmo pela cesária por tudo o que ela implica, mas se for necessária não tem essa de não vou fazer, tudo depende de vários fatores e estou tentando me preparar para qualquer situação.

Mas o medo do parto é passageiro, afinal tem que acontecer de qualquer forma não tem como fugir, o que me aterroriza mais na maternidade é o depois, eu sei a maneira que quero educar e instruir meu filho e quero que seja a melhor possível, mas tudo é incerto e o mundo é cruel demais. Sei que não vou conseguir protegê-lo de tudo e isso é o que mais me deixa insegura.

Fora essas inseguranças do futuro está tudo bem, já completamos 25 semanas, ele está do tamanho de um mamão e se mexendo muito e é tão confortante sentir cada chutinho, é nosso meio de comunicação. Não tenho mais enjoos (graças a Deus) só as vezes alguma azia, mas nada insuportável, também tenho algumas dores nas costas e cãibras, o que é normal, mas me faz acordar gritando de dor e quase matando meu marido de susto (sorry mozão), é que eu nunca tinha sentido cãibra na vida e me assustei demais com a primeira vez.

Falta pouco pra tudo se completar e ele estar pronto pra vir ao mundo, 9 meses passam mais rápido do que eu imaginava e quando eu piscar já vou estar com Joaquim nos meus braços. Eu estou sentindo mil coisas ao mesmo tempo, mas com certeza o que mais sinto é uma felicidade imensa e cheia de gratidão!